PÚBLICO RESERVADO


Medeia

Estreia ⁄ Coprodução

Outubro

De Qua 4 a Sáb 7 Out / 21h30


CAMPO ALEGRE Auditório

7,50EUR • M/16

bilhetes

Autor Jean Anouilh
Tradução Isabel Morujão
Encenação, dramaturgia Renata Portas
Cenografia Vânia Dinis/Renata Portas
Intérpretes Ana Paiva, Patrícia Ferreira, Daniel Viana, Pedro Manana, Emílio Gomes.
Músicos(ao vivo) Bernardo Lima (baixo), Pedro Sousa (guitarra), Rui Manuel Amaral (bateria) e Pedro Manana (guitarra) 
Desenho de luz Nuno Tomás
Vídeo: Luís Porto (Frame Productions)
Caracterização Ruby Kruss
Figurinos Jordann Santos
Registo de cena Adriana Oliveira,António Alves e Vânia Dinis
Design e comunicação lina&nando
Produção Executiva Público Reservado
Co-produção Público Reservado, Teatro Municipal do Porto e teatromosca
Apoios Visões Uteís, Teatro Universitário do Porto, La Rouge Cabeleireiros
Duração aprox. 1h45
A peça abre com uma deslocação: Medeia habita agora numa roulotte. 
Reduzida a um lugar de desolação e bas-fond, o que resta da sacerdotisa grega? Resta-lhe a eloquência, a tragédia da linguagem não ser suficiente para reter Jasão, a fúria de não habitar lugar nenhum — nem a roulotte, nem Corinto, nem a Cólquida. Esta “Medeia” é um ato de coragem e abandono — uma coragem que se inflama na destruição de si e dos outros, e no abandono de tudo (inclusive do corpo, último vaso). Sem amor vale a pena viver?

Renata Portas é encenadora e diretora artística da Público Reservado, companhia teatral fundada em 2013. Nasceu em 1976, em São Paulo, Brasil. Trabalha e vive no Porto. Concluiu, em 2003, o curso de Interpretação no Balleteatro - Escola Profissional e frequentou o Mestrado em Encenação na Escola Superior de Teatro e Cinema. Estreou-se profissionalmente como assistente de encenação de Jean-Pierre Sarrazac, no espectáculo “Cantiga para JÁ”. Encenou peças e textos de autores como Valère Novarina, Heiner Müller, Eurípides, Jean-Luc Lagarce, Pedro Eiras, Juan Mayorga, Carlos J. Pessoa, Franz Kafka, Luis Maffei, Peter Handke, Jean Anouilh. Dos seus textos dramáticos destacam-se os seguintes: “Interlúdio e Câmara-Inferno” (Companhia das Ilhas), “Finisterra” (edições TNSJ) e “A Boca de Telémaco é a Fortuna da Casa” (por editar).

///
CONVERSA PÓS-ESPETÁCULO COM EDUARDA NEVES • QUA 4 OUT
Docente da Escola Superior Artística do Porto, investigadora e curadora independente

PÚBLICO RESERVADO -

calendário