SALIA SANOU (BF)


Du Désir d'Horizons

Estreia Nacional

Sex 8 Jun ⁄ 21h30


Grande Auditório • Rivoli

10,00EUR • M/12 

bilhetes

Coreografia Salia Sanou
Interpretação Valentine Carette, Ousséni Dabaré, Catherine Denecy, Jérôme Kaboré, Elithia Rabenjamina, Mickael Nana, Marius Sawadogo, Asha Imani Thomas Texto: Nancy Huston (excertos de “Limbes, Un hommage à Samuel Beckett”, publicado pelas Edições Actes Sud (2000)
Cenografia Mathieu Lorry Dupuy
Desenho de Luz Marie-Christine Soma
Criação Musical Amine Bouhafa
Direção de Cena Rémy Combret
Luz Diane Guérin
Direção de Produção Stéphane Maisonneuve com a colaboração de Mahamoudou Nacanabo
Produção Compagnie Mouvements Perpétuels
Coprodução Théâtre National de Chaillot, African Artists for Development, Bonlieu –Scène nationale d’Annecy et La Bâtie Festival de Genève ao abrigo do programa Interreg France – Suisse 2014-2020, Tilder, La Filature - Scène nationale de Mulhouse, Viadanse Centre chorégraphique national de Franche-Comté à Belfort, Centre de Développement +Chorégraphique de Toulouse Midi- Pyrénées
Com o apoio do Ministère de la Culture et de la Communication – DRAC Occitanie, Région Occitanie-Pyrénées-Méditerranée, ADAMI
Em parceria com La Termitière / Ouagadougou
Duração aprox. 1h05 
O coreógrafo Salia Sanou, do Burquina Faso, construiu “Du Désir d’Horizons”a partir de várias oficinas realizadas em campos de refugiados em África. 
O espetáculo reflete a luta, a resistência e os desejos no exílio e conta com a interpretação de seis bailarinos, um contador de histórias e dois jovens refugiados africanos. Inspirado por este universo, o coreógrafo Salia Sanou leva ao palco o tema do exílio – tanto do ponto de vista territorial, como do ponto de vista interior, com a simbologia de um tempo que se carrega no peito. Há cinco anos, a fundação African Artist for Development utilizou a dança como instrumento de apoio psicológico para populações refugiadas em oito países africanos. Sanou orientou, então, algumas dessas sessões em campos do Burundi e do Burquina Faso. A experiência motivou-o a montar este espetáculo, que mostra e convida a aceder a essa força de luta, resistência e desejo de liberdade social e cultural. 

Salia Sanou nasceu em 1960, em Léguéma, Burkina Faso. É coreógrafo e bailarino. Estudou Teatro em Ouagadougou, antes de se tornar um dos nomes mais reconhecidos da dança africana. Integrou a companhia de dança de Mathilde Monnier em 1993, em Montpellier. Conheceu Saydou Boro, com quem fundou, em 1995, a companhia Salia nï Seydou. Juntos, criaram a Bienal Body Dialogues e o Centro de Desenvolvimento Coreográfico La Termitière, o primeiro em África.Foi durante muitos anos o diretor artístico do Choreographic Encounters of Africa e do Indian Ocean, organizado pelo Institut français. Em 2011 criou a companhia Perpetual Movements, sendo o responsável pelos espetáculos criados desde então.
SALIA SANOU (BF) - © Laurent Philippe

© Laurent Philippe

calendário