Anarquivo

Revoluções: a dança múltipla dos corpos

Qua 21 Novembro 2018

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.
Por Rossana Mendes Fonseca

Há som instalado na sala onde se vai dançar Revoluções. Focos redondos de luz em ziguezague iluminam o palco e o público. No palco ainda deserto, apercebemo-nos de dois microfones de cada lado, que caem do tecto.

Ainda em meio de nos aquietarmos, desviando brevemente o olhar para a folha de sala, aparecem no corredor central corpos dançantes. Nesse corredor, invisivelmente delimitado, dançam à medida que descem lentamente as escadas. Compenetrados nesse fluxo até ao palco, que ora se suspende ora se re-activa, quase nos escapa o vislumbre de uma mancha de cor, que passamos a olhar. Alguém se move vestido com um fato de corpo inteiro cor-de-rosa. Através destes movimentos de chegada, de alcance, de suspensão, há duas vozes que se fazem ouvir em cada microfone. É dada voz àquele que dança: não a concretização de palavras definidas, mas um murmúrio ondulante, o encontro subtil entre o plano sonoro que escutamos e o corpo que vemos dançar.

Agora já todos os seis bailarinos usam figurinos que consistem em fatos de corpo inteiro, um de cada cor: vermelho, branco, azul, cinza, verde e rosa. Figurinos que nos apontam para essa abstracção que poderá ser a individualização identitária pela nacionalidade, mas também o meio operático em que se movimentam. Há esta presença visual forte de blocos de cor animados, que se conjugam, que se atraem, que se repelem, que se cruzam e se sustentam. Que dançam singular e colectivamente. Pop ecléctico. Os filamentos luminosos horizontalmente suspensos no tecto como que traçam as linhas esparsas dos seus gestos. Há ainda a sensação de um mecanismo de relógio a marcar o tempo dos corpos como um ballet mecânico que, dançando, ora sim, ora não, ao ritmo desta cadência cronometrada, parecem sentir nos entreactos, como também nós o sentimos, uma arritmia, a urgência do contratempo. O fulgor, talvez, de uma ideia, em meio de ser, uma agitação, uma procura efervescente: O caminho que sabemos sempre infinito mas para o qual somos impelidos, para o qual sentimos o impulso de nos lançar.

É nesse caminho que os seis corpos se lançam, pulsando com e através do som. A aparição de um tecido vermelho, empunhado por estes corpos de cores vibrantes, parece-nos evocar, de repente, a imagem da Liberdade de Delacroix. Ao mesmo tempo, da herança literária, sabemos que o vermelho antecipa simbolicamente o derrame de sangue, o avizinhamento de uma morte. O vermelho estende-se e é modulado à medida que a dança se desenrola, tomando uma forma mais concreta no corpo que nele mergulha e dele quer irromper. Vê-se definir uma figura humana, imersa em vermelho, como um recém-nascido, ou a imagem da matéria arquetípica em meio de se formar. Tabula rasa. Uma ideia também evocada nas telas brancas mais pequenas que cada bailarino transporta, cobrindo o seu rosto e parte do seu corpo. Cada um com a sua tela. Com o seu dispositivo. Organizam-se numa trama que as telas e, ao mesmo tempo, ecrãs fazem tornar presente. Nelas vemos fragmentadas as imagens da projecção: encontramos elementos anímicos da natureza, no seu estado selvagem. Imagens que duram e que, no seu desenrolar, nos permitem, ao mesmo tempo, um tempo de contemplação, de tactear a sua parte de sombra e a sua parte de luz, mas também, e nesse tactear, a batalha insistente de percorrer o caminho sinuoso da caverna. O caminho do auto-confronto. E, como quando saímos de um lugar escuro, piscamos rapidamente os olhos para nos adaptar à luz de fora, aqui também recebemos um feixe luminoso entrecortado — strobe — sobre nós, que nos revela imagens em catadupa, imagens fixas, que não conseguimos fixar, que nos escapam a toda a velocidade e nos criam esse desequilíbrio da memória, sem tempo de latência, sem tempo de experiência. Fragmentárias, essas imagens são projectadas nessas telas brancas, nesses ecrãs, que se movem com o mover individual daquele que o segura. Neles, vemos surgir, então, uma árvore que dança ao vento e que nos interpela, ainda outra vez, quanto a este tempo de contemplação, de duração: a árvore, ainda que pareça sempre permanecer no mesmo lugar, com as suas raízes que a fazem elevar-se ao longo do tempo, e sem qualquer deslocação no espaço, atravessa toda a nossa cronologia e assiste à nossa história. Esta imagem, que nos subtrai ao estado vertiginoso da aceleração imagética do mundo, faz-nos descer até ao solo, onde vemos ervas rasteiras, com o mesmo movimento ondulante, ao vento. Imediatamente, encontramos o seu lado de sombra. Dá-se uma mutação: subitamente, ficamos perante aquilo que nos surge como o negativo, o desenho de ondas de frequência, ao ritmo de impulsos eléctricos. Parece tratar-se da subtracção da parte de luz, também imputada aos bailarinos, que ficam reduzidos aos seus contornos projectados no fundo — silhuetas.

A tela sobe. Somos iluminados pelos mesmos focos iniciais. Em palco, um piano preparado. Há alguém que nele toca. Uma sonata. Somos novamente arrebatados: à luz, os corpos dos bailarinos assomam, desenham no espaço trajectórias de cor, pela combinação dos gestos e da dança que acontece entre si. Observamos, por momentos, a sua reorganização colectiva e, individualmente, esgares, como se pronunciassem de modo excessivo palavras isoladas, enquanto oscilam num movimento pendular. Pendular é também o deslocamento dos microfones posicionados nos quatro quadrantes do palco, que os bailarinos impulsionam e que nos devolvem o som da agitação do ar. Ainda, vento. Abandonam o palco. O som persiste.

A luz baixa. Presenciamos um novo ambiente. Numa quietude ainda tensa, dois corpos nus de mãos dadas, como se sondassem este novo solo, entram em palco. À procura, caminham em desequilíbrio, cambaleantes, expostos, dançando. Percorrem-no de um lado ao outro. Deixam-no. Devolvem-nos o palco aberto. A luz cai.

Né Barros, Haarvöl e Digitópia encontram-se nesta multiplicidade de corpus — corpos de texto, corpos coreografados, corpos sonoros, corpos imagéticos — que se intersectam, se contaminam, se confrontam, dançando-nos intimamente as suas Revoluções


Fotografia © José Caldeira / TMP
Anarquivo -
1, 2, 3...

Ter 18 Junho 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Manuel Bogalheiro

Universidade Lusófona do Porto
"Do Comum" e "Do Estranho" ⁄ Ciclos de conferências

Maria do Céu Ribeiro & Paulo Mota

Sex 14 Junho 2019

Maria do Céu Ribeiro & Paulo Mota

Entrevista

sobre "O amigo secreto"

Anarquivo

Seg 3 Junho 2019

Anarquivo

B’lheq

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo. 

1, 2, 3...

Sex 31 Maio 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Pedro Sobast

Understage ⁄ Catacombe

1, 2, 3...

Sex 24 Maio 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Miguel Bonneville

"A importância de ser Georges Bataille"

DDD + FITEI 2019 no TMP:

Qui 25 Abril 2019

DDD + FITEI 2019 no TMP:

Cinco semanas de programação de dança e teatro, com o Brasil em destaque

Entre 24 de abril e 25 de maio, o DDD – Festival Dias de Dança e o FITEI – Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica unem-se numa grande parceria de programação e comunicação de dança e teatro, com o Teatro Municipal do Porto (TMP) a ser palco de apresentação de mais de duas dezenas de espetáculos, workshops, encontros, atividades paralelas e festas pós-espetáculo.

1, 2, 3...

Qua 3 Abril 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Ricardo Neves-Neves

"Banda sonora"

Miquel Bernat

Seg 1 Abril 2019

Miquel Bernat

Entrevista

sobre "Textures & lines"

1, 2, 3...

Ter 26 Março 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a John Romão

BoCA - Biennial of Contemporary Arts 2019

Ter 19 Março 2019

"Moving with Pina":

A obra de Pina Bausch pelos gestos de Cristiana Morganti

Cristiana Morganti apresenta, em estreia nacional, a conferência performativa "Moving with Pina", nos dias 22 e 23 de março, no Teatro Campo Alegre, onde partilha as suas vivências com a coreógrafa alemã ao longo de 11 anos.

1, 2, 3...

Seg 18 Março 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a João Sousa Cardoso

Multiplex 2019: Bette Gordon

1, 2, 3...

Sex 15 Março 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Gustavo Costa e Igor Gandra (Sonoscopia & Teatro de Ferro)

"W - Concerto encenado para orquestra robótica e marionetas"

1, 2, 3...

Seg 11 Março 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a António Júlio

"O Dia da matança na história de Hamlet"

Sex 1 Março 2019

"Os 120 dias de Sodoma": o controverso encenador Milo Rau, no Teatro Rivoli

Nos dias 7 e 8 de março, o controverso encenador Milo Rau apresenta, em estreia nacional, “Os 120 dias de Sodoma”, no Teatro Rivoli – um trabalho que desenvolve as pesquisas em torno do voyeurismo e as suas implicações políticas e artísticas.

1, 2, 3...

Qua 27 Fevereiro 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Tiago Cutileiro

"Tudo nunca sempre o mesmo diferente nada"

Jorge Andrade

Qua 20 Fevereiro 2019

Jorge Andrade

Entrevista

sobre "A manual on work and happiness"

Anarquivo

Qua 13 Fevereiro 2019

Anarquivo

Sobre Anarquismos, de Pablo Fidalgo Lareo

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

Anarquivo

Ter 12 Fevereiro 2019

Anarquivo

Sobre Unwanted, de Dorothée Munyaneza

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

1, 2, 3...

Qua 6 Fevereiro 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Marta Freitas

Curtas de Cena Portuguesa 

Miguel Loureiro

Seg 28 Janeiro 2019

Miguel Loureiro

Entrevista

sobre "A fera na selva"

Seg 28 Janeiro 2019

"Unwanted" de Dorothée Munyaneza

Um relato a partir das histórias reais das vítimas do genocídio em Ruanda

Na sexta-feira, dia 1 de fevereiro, Dorothée Munyaneza apresenta, em estreia nacional, no Teatro Campo Alegre, o espetáculo “Unwanted” – um trabalho que conta a história de mulheres violadas.  

87º Aniversário Rivoli: 100 habitantes do Porto ajudam a apagar as velas

Sex 18 Janeiro 2019

87º Aniversário Rivoli: 100 habitantes do Porto ajudam a apagar as velas

Nos dias 19 e 20 de janeiro, o Teatro Rivoli celebra os seus 87 anos de “vida” numa festa de 48h - com dança, teatro, música, literatura, performance e ainda uma festa até às 04h00 - onde 100 habitantes do Porto ajudam a apagar as velas. 

100% Porto: Teatro Rivoli comemora o seu 87º aniversário em dois dias de festa

Seg 14 Janeiro 2019

100% Porto: Teatro Rivoli comemora o seu 87º aniversário em dois dias de festa

A 19 e 20 de janeiro, o Teatro Rivoli celebra o seu aniversário com mais de uma dezena de espetáculos com entrada gratuita propostos por artistas e companhias da cidade.

Programação de março a julho do TMP apresentada ontem no Teatro Rivoli

Sex 11 Janeiro 2019

Programação de março a julho do TMP apresentada ontem no Teatro Rivoli

A temporada de março a julho de 2019 do Teatro Municipal do Porto (TMP) reúne mais de 50 espetáculos e a parceria inédita entre os festivais DDD e FITEI.

1, 2, 3...

Qua 12 Dezembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a Dina Lopes

Foco Famílias 2018

PRESENTE!: neste Natal ofereça dois lugares do TMP

Qui 6 Dezembro 2018

PRESENTE!: neste Natal ofereça dois lugares do TMP


O Teatro Municipal do Porto lança, mais uma vez, o PRESENTE!, um voucher que permite a todos os interessados adquirir e oferecer um produto diferenciador nesta época festiva. 

1, 2, 3...

Seg 26 Novembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a Álvaro Teixeira Lopes

Novos Talentos

João Pais Filipe e Valentina Magaletti: Uma história de amor

Sáb 24 Novembro 2018

João Pais Filipe e Valentina Magaletti: Uma história de amor


Esta é uma história de amor “musical”:
Conheceram-se a 1 de dezembro de 2017, aquando do concerto dos britânicos Tomaga no Subpalco do Rivoli e agora, 364 dias depois – a 30 de novembro -, João Pais Filipe e Valentina Magaletti apresentam um disco a quatro mãos, "Golden Path", no mesmo local onde se conheceram.

1, 2, 3...

Sex 23 Novembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a Julieta Guimarães

Mostra Estufa

1, 2, 3...

Qui 22 Novembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a João Gesta

Quintas de Leitura

Anarquivo

Qua 21 Novembro 2018

Anarquivo

Revoluções: a dança múltipla dos corpos

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

Anarquivo

Ter 20 Novembro 2018

Anarquivo

A Love Supreme

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

Anarquivo

Seg 19 Novembro 2018

Anarquivo

Romances inciertos: dançar a própria incerteza

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum no Subpalco do Teatro Rivoli

Seg 12 Novembro 2018

HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum no Subpalco do Teatro Rivoli


Num concerto do ciclo Understage, desta vez em coprodução com a Amplificasom, HHY & The Macumbas apresentam o novo álbum: “Beheaded Totem”, dia 16 de novembro, às 23h00 no Subpalco do Teatro Rivoli. 

Trilogia da juventude do TEP apresentada na íntegra no Teatro Campo Alegre

Qua 7 Novembro 2018

Trilogia da juventude do TEP apresentada na íntegra no Teatro Campo Alegre


Entre os dias 7 e 17 de novembro, o Teatro Experimental do Porto (TEP) apresenta, na íntegra, a “Trilogia da juventude” no Teatro Campo Alegre.

1, 2, 3...

Dom 4 Novembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a Martim Pedroso

Nova Companhia

Né Barros

Qui 25 Outubro 2018

Né Barros

Entrevista

sobre "Revoluções"

François Chaignaud e Nino Laisné em concerto-recital no Palácio da Bolsa

Ter 23 Outubro 2018

François Chaignaud e Nino Laisné em concerto-recital no Palácio da Bolsa


Nos dias 26 e 27 de outubro, sexta-feira e sábado, o coreógrafo e bailarino, François Chaignaud, e o artista visual, Nino Laisné, apresentam em estreia nacional o espetáculo “Romances inciertos — un autre Orlando”, no Salão Árabe do Palácio da Bolsa

Anarquivo

Sex 12 Outubro 2018

Anarquivo

Alguma coisa ruiu
Sobre Late Night

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

1, 2, 3...

Qui 11 Outubro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a Cláudia Dias

FIMP – Festival Internacional de Marionetas do Porto 2018

Anarquivo

Qui 11 Outubro 2018

Anarquivo

The Waves: Sob o desenrolar contínuo do gesto

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.

1, 2, 3...

Qua 3 Outubro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a João Ferreira

Queer Porto

1, 2, 3...

Qui 27 Setembro 2018

1, 2, 3...

... Perguntas a André e. Teodósio

Teatro Praga

Renata Portas

Seg 10 Setembro 2018

Renata Portas

Entrevista

sobre "Estava em casa à espera que a chuva viesse"

História(s)

Qui 6 Setembro 2018

História(s)

1ª Parte — Tiago Guedes

A temporada 2018/2019 do Teatro Municipal do Porto — Rivoli e Campo Alegre será apresentada em dois tempos e em duas agendas de programação.

Artistas Associados

Sáb 1 Setembro 2018

Artistas Associados

Temporadas 17/18 & 18/19

O coreógrafo Marco da Silva Ferreira e o encenador Jorge Andrade (mala voadora) são os primeiros artistas associados do Teatro Municipal do Porto.