BORIS CHARMATZ (França)


Manger

BORIS CHARMATZ (França)

Dezembro

Qua 7 Dez ⁄ 21h30

Mosteiro de São Bento da Vitória

Dança
10,00 eur • M⁄12

Duração aprox. 1h 
Ela dança durante a mastigação. Ele mastiga enquanto dança e enquanto canta. Lançamos o movimento com a boca. Com os nossos lábios. Com os dedos que chupamos quando nos apetece. Com os pés que tocam a comida no chão. A dança está no estômago. A dança está no palato. Está nos dentes, na língua. Tiramos a mesa, as cadeiras e a toalha. Prevemos aqui uma refeição em movimento, em que comemos de tudo, o tempo todo. Somos uma orquestra em movimento, autoalimentada. Um ecossistema especulativo. A cadeia alimentar avança rapidamente, passa de mão em mão, e a comida finalmente desaparece dentro dos corpos. Há algo a ser salvo das sobras. A decoração torna-se invisível. Como uma coreografia de sumos. A coreografia de pessoas também se torna uma coreografia da comida que percorre o interior do espaço e dos corpo. O corpo abre-se para a comida que ela encerra. A essência está presa na garganta. Engole-se a mensagem sem ter lido. Engole-se a realidade. Digerem-se conflitos. Comem no sentido mais amplo. Devoramos a realidade. – Boris Charmatz 

Boris Charmatz é bailarino e coreógrafo. Apresentou, de “Aatt enen tionon” (1996) a “Manger” (2014), um conjunto de trabalhos memoráveis. Embora mantendo uma extensa agenda de espetáculos, colabora regularmente com Saul Williams, Archie Shepp, Médéric Collignon e trabalha ainda como intérprete em trabalhos de Anne Teresa De Keersmaeker e Tino Sehgal. Artista associado em 2011 do Festival d’Avignon, Charmatz apresentou “enfant”, uma peça para 26 crianças e 9 bailarinos na “Cour d’Honneur” do Pope’s Palace. Em 2013 foi convidado para o MoMa de Nova Iorque, onde concebeu “Musée de la danse: Three Collective Gestures”, um programa de dança de três semanas no Marron Atrium (e em todo o museu). Em 2015, Boris Charmatz foi convidado para a Tate Modern de Londres para um programa intensivo de dois dias nos diferentes espaços que compõem o local. Desde 2009, foi diretor do Rennes and Brittany National Choreographic Centre (França) e transformou-o no novo Museu da Dança. Atualmente trabalha num novo espetáculo, “danse de nuit”, uma performance para 6 seis bailarinos que estreia em 2016.
borischarmatz.org
Dançar é a mãe da anorexia. Os maratonistas comem durante a corrida. Os presos seguem em greves de fome. O ritual do jantar está a desaparecer. As crianças comem enquanto dançam. Comemos deitados. Digerimos a informação. 

Dezembro

Qua 7 Dez ⁄ 21h30

Mosteiro de São Bento da Vitória

Dança
10,00 eur • M⁄12

Duração aprox. 1h 
Coreografia Boris Charmatz
Interpretação Or Avishay, Matthieu Barbin, Nuno Bizarro, Ashley Chen, Olga Dukhovnaya, Alix Eynaudi, Julien Gallée-Ferré, Peggy Grelat-Dupont, Christophe Ives, Maud Le Pladec, Filipe Lourenço, Mark Lorimer, Mani A. Mungai, Marlène Saldana
Luz Yves Godin
Som Olivier Renouf
Arranjo musical e treino vocal Dalila Khatir
Assistência de coreografia Thierry Micouin
Direção Técnica Mathieu Morel
Técnico de Luz Fabrice Le Fur
Figurinos Marion Regnier
Produção Sandra Neuveut, Martina Hochmuth, Amélie-Anne Chapelain
Produzido por Musée de la danse / Centre chorégraphique national de Rennes et de Bretagne—Directed by Boris Charmatz. The association receives grants from the Ministry of Culture and Communication (Regional Direction of Cultural Affairs / Brittany), the City of Rennes, the Regional Council of Brittany and Ille-et-Vilaine General Council
Coprodução Ruhrtriennale-International Festival of the Arts ; Théâtre National de Bretagne-Rennes; Théâtre de la Ville and Festival d’Automne Paris; steirischer herbst Graz; Holland Festival Amsterdam; Kunstenfestivaldesarts Brussels, Künstlerhaus Mousonturm Frankfurt am Main