Miguel Bonneville

A importância de ser Georges Bataille

Junho

7 Sex 21.00h & 8 Sáb 19.00h


RIVOLI Palco do Grande Auditório

7.50€ • ≈1.55h • >12

bilhetes

Direcção e interpretação Miguel Bonneville
Interpretação e co-criação Afonso Santos, Catarina Feijão, Francisco Rolo, Vanda Cerejo
Música Original Luís Kasprzykowski
Sonoplastia BlackBambi
Figurinos Mariana Sá Nogueira
Cabelos e Maquilhagem Jorge Bragada
Desenho de Luz Nuno Patinho
Desenho de Som Miguel Mendes 
Cenografia Nuno Tomaz
Acompanhamento Pedro Arrifano, Miguel Branco
Registo Vídeo e Fotográfico Joana Linda
Assessoria de Imprensa Sara Cunha
Coordenação de Produção Cristina Correia
Produção Teatro do Silêncio
Coprodução Teatro Municipal do Porto, São Luiz Teatro Municipal
Apoios Citemor, Residências da Boavista / Polo Cultural das Gaivotas
Agradecimentos Alípio Padilha, Cão Solteiro, Companhia Clara Andermatt, Jorge Bragada
Miguel Bonneville prossegue o seu projecto de espectáculos em série sobre as vidas e obras de artistas e pensadores cuja importância tem sido vital no seu percurso artístico.
Neste espectáculo, onde a performance e a escrita acontecem numa ligação directa com filosofias políticas radicais, toma como ponto de partida Georges Bataille – ensaísta, filósofo e romancista francês do século XX –, continuando desta forma a procurar formas de desenvolver e desdobrar um corpo pós-cristão ligado a um materialismo dionisíaco capaz de se dobrar, torcer e partir em dois. Continuando a eleger a experiência sensível à explicação lógica, Bonneville faz do luto da “Figura humana” um interminável e incurável processo que Bataille quis ou acreditou resolver.


Miguel Bonneville (Porto, 1985) introduz-nos a histórias autobiográficas centradas na desconstrução e reconstrução da identidade através de performances, desenhos, fotografias, vídeo, música e livros de artista. Desde 2003 tem apresentado o seu trabalho em galerias de arte e festivais nacionais e internacionais, sobretudo os projetos seriados “Family Projec”, “Miguel Bonneville” e “A Importância de Ser”. Fez parte do núcleo de artistas da produtora de dança contemporânea Eira (2004-2006) e da Galeria 3+1 Arte Contemporânea (2009-2013). Recebeu o Prémio Ex Aequo (2015) pelas performances “Medo e Feminismos”, em colaboração com Maria Gil, e “A Importância de Ser Simone de Beauvoir”. Foi artista residente no Sítio das Artes, CAMJAP -Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa, 2007), Homesession (Barcelona, 2008), Mugatxoan - Fundação de Serralves (Porto, 2010), Festival Transeuropa2012 (Hildesheim, 2012), Arts Printing House (Vilnius, 2013), Arte y Desarrollo (Madrid, 2014), e La Box (Bourges, 2018), entre outros.
Miguel Bonneville - © Joana Linda

© Joana Linda

calendário