Cristaleira Coletivo - © DR

© DR

Pisar o Risco

20 Qua22.00h 21 Qui 22.00h

RIVOLI Pequeno Auditório

Bilhete Conjunto 7.00€ • 40min • >12

Cristaleira Coletivo

Auto-Deus
Campo de Batalha

Performance
Cristaleira Coletivo - © DR

© DR

 
Dois artistas plásticos da geração dos telemóveis operam as entranhas do “Auto-Deus”, a máquina que criaram para os auxiliar na sua busca pelo sagrado. O “Auto-Deus” marcha ruidosamente por colinas e aldeias, devorando todos os símbolos e crenças que encontra. Entretanto, dentro do tanque escuro da máquina, todas as manchas são desenhos, todos os ruídos são litanias, todas as operações são rituais, todas as avarias são sinais, e todos os silêncios são respostas.


O Colectivo Cristaleira nasceu entre paredes de granito e aranhas gigantes. João Gomes Gago (1991) e Miguel Jaques (1993) começaram por escorraçar as aranhas e endireitar as paredes; depois, dedicaram-se à exploração do ritual no desenho, na poesia, na performance, e na música. As peças do colectivo foram apresentadas no Museu de Serralves, na Galeria Monumental, e no Museu de Évora.

Conceção e interpretação Miguel Jaques, João Gomes Gago
Som Miguel Jaques
Cenografia Miguel Jaques, João Gomes Gago
Figurinos Daniela Carneiro Lino
Residências artísticas Teatro Municipal do Porto, Casa d’Artes do Bonfim
Produção Cristaleira

Espetáculo com utilização de fogo

Pisar o Risco

O que têm em comum dois performers à procura de uma nova língua, dois artistas visuais a ensaiar um caminho para o sagrado e duas coreógrafas a traduzir uma publicação que não se leva para casa? E uma realizadora que decide mostrar o seu filme em fase de montagem? Que tem, ainda, tudo isto a ver com um percurso de projetos de circo contemporâneo? Aparentemente, nada em comum. É tentadora a vontade de categorizar, classificar, arrumar as narrativas, buscando uma ordem mínima. É a natureza do pensamento, sabemo-lo, concretizar esse sentido lógico, disciplinar, disciplinando-o. Mas é força do contemporâneo aceitá-lo indomável. De um modo ou de outro, todos estes trabalhos trazem uma certa indisciplina. Questionam, experimentam, fraturam aquilo que é do âmbito da dança, do teatro, da poesia, do cinema, do circo, arriscando a singularidade das suas ideias enquanto jovens artistas do seu tempo. Trocam-nos as voltas e até podem errar, mas obrigam-nos a um reposicionamento no jogo. Cair num hibridismo mais cómodo parece ser o caminho menos percorrido. “Pisar o Risco” são quatro dias que fazem coincidir espetáculos-laboratoriais resultado dos programas Criatório, Campo de Batalha e Mostra Estufa. O Rivoli e o Campo Alegre asseguram o ecossistema para que, numa ousadia delicada, eles possam equilibrar-se nesse risco.



Bilhete conjunto Pisar o Risco (Campo de Batalha + Criatório) 7.00€
Clara Amaral

Clara AmaralDo you remember that time we were together and dance this or that?
Campo de Batalha

Pisar o Risco
20 Sex 18.00h/19.00h/20.00h/21.00h/22.00h
21 Sáb 18.00h/19.00h/20.00h/21.00h/22.00h
RIVOLI Corredores 3º & 4º Piso

Performance
Chiara Taviani & Henrique Furtado Vieira

Chiara Taviani & Henrique Furtado VieiraStand still you ever-moving spheres of heaven
Campo de Batalha

Pisar o Risco
20 Qua 19.00h 21 Qui 21.00h
RIVOLI Palco do Grande Auditório

Performance
Itália / Portugal
Rita Barbosa

Rita BarbosaAmigos imaginários
Criatório

Pisar o Risco
20 Qua 21.00h 21 Qui 19.00h
RIVOLI Sala de Ensaios

Performance
Cristaleira Coletivo

Cristaleira ColetivoAuto-Deus
Campo de Batalha

Pisar o Risco
20 Qua22.00h 21 Qui 22.00h
RIVOLI Pequeno Auditório

Performance

Mostra Estufa 2019Erva Daninha

Pisar o Risco
22 Sex 19.00h 23 Sáb 21.00h
CAMPO ALEGRE

Circo Contemporâneo