Rita Barbosa - © Frame de Prelúdio Cooperativa

© Frame de Prelúdio Cooperativa

Pisar o Risco

20 Qua 21.00h 21 Qui 19.00h

RIVOLI Sala de Ensaios

Bilhete Conjunto 7.00€ • 1.05h • >12

Rita Barbosa

Amigos imaginários
Criatório

Performance
Rita Barbosa - © Frame de Prelúdio Cooperativa

© Frame de Prelúdio Cooperativa

 
“Amigos imaginários” é um filme-performance, no qual o público é convidado a assistir à projeção de um filme, em fase de montagem, que é sonorizado ao vivo num estúdio de foley *. Uma especulação sobre o que poderá ser o cinema, tirando partido de um dos artifícios mais utilizados para a construção da ilusão da verdade. Um realizador diletante e três performers não-profissionais do foley*, fazem do filme uma partitura. Enquanto o gesto dos performers procura de forma literal e obsessiva os ruídos que mexem com as coisas e com os seres do filme, o que vemos é o desmantelar da ilusão, pondo a nu os mecanismos da mentira, num contraponto entre imagem-filme e imagem-performance. O realizador aproveita-se da oportunidade para jogar com as possibilidades, fazendo experiências com narrações, que oscilam entre o “mundo contado” em pequenas e lúdicas histórias e o "mundo comentado" em desabafos de um montador inquieto. Como num espaço neo-cubista, a verdade é libertada dum automatismo percetivo, abrindo caminho ao acaso e evocando fantasmas - os amigos imaginários.


* O foley (ou bruitage) é uma técnica de criação de efeitos sonoros gravados em estúdio, onde sons de passos, portas a fechar, trovões, etc., são reproduzidos por sonoplastas em sincronia com o filme, com o objetivo de conferir mais realismo às cenas.


Rita Barbosa é realizadora, licenciada em Artes Digitais, no curso de Som e Imagem da UCP (2002). Escreveu e realizou a curta-metragem “À Noite Fazem-se Amigos”, com estreia internacional no Festival de Locarno. É representada como realizadora de publicidade pela Take it Easy desde 2005. Na área do teatro, dança e performance colaborou na criação, conceção visual, vídeo e cenografia de vários projetos, entre eles: “Três Dedos Abaixo do Joelho”, de Tiago Rodrigues; “Sabotagem”, de Lígia Soares e Miguel Castro Caldas; “O Esplêndido”, de Andresa Soares. Realizou vídeos experimentais como “Get Bent”, “Pop Fish”, apresentados em várias instituições e contexto como Fundação Cartier (França), Impakt (Holanda) e Courtisane (Bélgica).
Realização e direção artística Rita Barbosa
Design de som Rui Lima e Sérgio Martins, com participação de Jonathan Saldanha
Performance Rui Lima, Sérgio Martins, Daniel Pizamiglio
Produção Henrique Figueiredo
Direção técnica João Pratas
Direção de cena Helena Ribeiro
Desenho de luz Mário Bessa
Cartaz e design gráfco Dayana Lucas, Pedro Nora
Direção de fotografia Jorge Quintela
1˚ assistente de imagem  Miguel Ângelo
2˚ assistente de imagem Bruno Medeiros
Apoio financeiro Câmara Municipal do Porto, SPA e AGECOP
Apoios Take It Easy, Planar, Teatro do Bolhão, Circolando, Mala Voadora, 
Residência O Espaço do Tempo
Agradecimentos Ópera Isto Associação, Hotel Vila Galé Porto, EPES – Escola Profssional de Economia Social, Fundação Escultor José Rodrigues, Lipor, Associação de Comandos
Agradecimentos António Selas, Joana Dilão, Cláudia Santos, Dayana Lucas, Daniel Oliveira, Daniel Ribas, Ana Paula Sousa, Ekaterina Solomina, Janine Lamas, Joaquim Fernandes, JorgeGarcia, José Manuel Castro, Mariana Dixe, Paula Marques, Pedro Nora, Sofia Arriscado

Pisar o Risco

O que têm em comum dois performers à procura de uma nova língua, dois artistas visuais a ensaiar um caminho para o sagrado e duas coreógrafas a traduzir uma publicação que não se leva para casa? E uma realizadora que decide mostrar o seu filme em fase de montagem? Que tem, ainda, tudo isto a ver com um percurso de projetos de circo contemporâneo? Aparentemente, nada em comum. É tentadora a vontade de categorizar, classificar, arrumar as narrativas, buscando uma ordem mínima. É a natureza do pensamento, sabemo-lo, concretizar esse sentido lógico, disciplinar, disciplinando-o. Mas é força do contemporâneo aceitá-lo indomável. De um modo ou de outro, todos estes trabalhos trazem uma certa indisciplina. Questionam, experimentam, fraturam aquilo que é do âmbito da dança, do teatro, da poesia, do cinema, do circo, arriscando a singularidade das suas ideias enquanto jovens artistas do seu tempo. Trocam-nos as voltas e até podem errar, mas obrigam-nos a um reposicionamento no jogo. Cair num hibridismo mais cómodo parece ser o caminho menos percorrido. “Pisar o Risco” são quatro dias que fazem coincidir espetáculos-laboratoriais resultado dos programas Criatório, Campo de Batalha e Mostra Estufa. O Rivoli e o Campo Alegre asseguram o ecossistema para que, numa ousadia delicada, eles possam equilibrar-se nesse risco.



Bilhete conjunto Pisar o Risco (Campo de Batalha + Criatório) 7.00€
Clara Amaral

Clara AmaralDo you remember that time we were together and dance this or that?
Campo de Batalha

Pisar o Risco
20 Sex 18.00h/19.00h/20.00h/21.00h/22.00h
21 Sáb 18.00h/19.00h/20.00h/21.00h/22.00h
RIVOLI Corredores 3º & 4º Piso

Performance
Chiara Taviani & Henrique Furtado Vieira

Chiara Taviani & Henrique Furtado VieiraStand still you ever-moving spheres of heaven
Campo de Batalha

Pisar o Risco
20 Qua 19.00h 21 Qui 21.00h
RIVOLI Palco do Grande Auditório

Performance
Itália / Portugal
Rita Barbosa

Rita BarbosaAmigos imaginários
Criatório

Pisar o Risco
20 Qua 21.00h 21 Qui 19.00h
RIVOLI Sala de Ensaios

Performance
Cristaleira Coletivo

Cristaleira ColetivoAuto-Deus
Campo de Batalha

Pisar o Risco
20 Qua22.00h 21 Qui 22.00h
RIVOLI Pequeno Auditório

Performance

Mostra Estufa 2019Erva Daninha

Pisar o Risco
22 Sex 19.00h 23 Sáb 21.00h
CAMPO ALEGRE

Circo Contemporâneo