Miguel Loureiro

28 Janeiro 2019

Miguel Loureiro

Entrevista

sobre "A fera na selva"
Miguel Loureiro • 47 anos • Encenador


“A fera na selva” é o espetáculo que apresentas no Teatro Municipal do Porto, em fevereiro de 2019. Uma peça de teatro que parte de um texto clássico, mas sob um prisma mais contemporâneo. Como surgiu a ideia de te debruçares sobre este texto escrito originalmente por um homem, mas retrabalhado por uma mulher alguns anos mais tarde?

Este espetáculo parte de “A fera na selva”, de Marguerite Duras, e surgiu de um convite do Fernando Luís Sampaio para apresentar um espetáculo no CCB. No entanto, depois de ter trabalhado alguns textos, inverti o convite e propus ao Fernando [Luís Sampaio] e à Luísa Taveira que fossem eles a fazerem a proposta. Eu gosto deste formato de encomenda e deram-me dois textos a escolher: um da Carson McCullers ou esta de [Marguerite] Duras, que é uma reconversão de um texto do início do século XX do novelista e romancista Henry James. Eu preferi este porque é menos habitado que o outro. Gosto das coisas mais periféricas, menos centrais, e propus este porque gosto das peças, do cinema e da escrita da autora. O que me agrada neste texto é que é um teatro de câmara, onde um homem e uma mulher debatem ao longo de seis quadros sobre um fantasma. Interessa-me explorar a história do teatro, de onde vem, as questões do texto, quando se estabelece a cena ou não, quando existe teatro ou deixa de existir. Há, no entanto, uma coisa que nunca pode escurecer: o amor pelo texto, porque o teatro é ainda muito ligado à literatura, àquela que é pensada para o palco. Este espetáculo é misterioso. Tem um enigma, sem qualquer linha de projeção do meu pensamento político, económico ou social. Isso não me interessa. Interessa-me lidar com mistérios e enigmas.

Quais as características que te entusiasmam neste texto e de que forma o colocarás em palco?

Este espetáculo tem a excelência do input inicial do Henry James, o maior escritor em língua inglesa do final do século XIX e início do século XX. E tenho interesse numa escritora de final do século [Duras], que filtra tudo isso e a transforma para um sítio especial, que é a cena, um sítio de exceção onde as coisas ressoam de outra forma. Geralmente se diz que de medíocres textos se fazem grandes trabalhos de cena. Esta é uma peça introspetiva, de alguém que se sente assustado porque não tem atividade na vida – profissional ou pessoal. São dois aristocratas, um homem e uma mulher. O homem [interpretado pelo ator Filipe Duarte] está paralisado de medo, porque acha que há uma grande catástrofe à espera dele. Isso impede-o de viver. A personagem feminina [com desempenho da atriz Margarida Marinho] solidariza-se com ele e o tempo passa, entre distrações, ficam velhos e morrem. A fera nunca salta para fora da selva e nada acontece, realmente. É uma peça sobre o impasse e o medo de afirmar as coisas na vida.

Recentemente vimos-te em palco enquanto ator principal [a dar corpo a “Timão de Atenas”, com encenação de Nuno Cardoso/Ao Cabo Teatro, abril 2018, Rivoli] e agora encontramos-te do outro lado da cena, a dirigir os atores. Quando é que o Miguel-ator começou a sentir que também podia ser o Miguel-encenador e o que te interessa nesse papel?

Bem, eu decidi começar a encenar porque quero fazer coisas que nunca vejo feitas. E como nunca as vejo feitas, acho que há um lugar para mim, neste panorama. Foi por isso que comecei a encenar em 1998. Agora, levo já mais de trinta trabalhos de encenação e gosto muito do sentido de gerir, de coordenar, porque, para mim, tudo isto tem sempre uma noção de família. Qualquer colaborador, quer seja por dois dias, por alguns minutos ou vários meses, correspondem a uma nova família. É um conceito artístico muito praticado por nomes como [Rainer Werner] Fassbinder ou pelo [John] Cassavetes, eles iam atrás de quem queriam, constituíam verdadeiras famílias. Acho isso importante. A nível biográfico, eu sou bastante solitário e encontro esse relacionamento social também nas equipas com quem trabalho. É como se fosse a constituição de um jantar longo, de uma família ou de um convívio em férias. Algo que se constrói e marca o momento de uma forma indelével. Irrepetível até.

Enquanto encenador — e até ator —, o que podemos esperar de novos trabalhos em 2019 e nos anos seguintes? Algo semelhante a este novo trabalho ou vais preferir trabalhar outros autores?

Há autores quase desconhecidos que eu gostava de trabalhar. Autores franceses católicos, os autores esquecidos da época das trevas, da idade medieval, do teatro litúrgico francês. Há depois um núcleo do século XIX, que são os tardo-românticos, em que ninguém pega. Textos que foram veículo para grandes atores, em que haviam homens a escrever textos para mulheres. É disso exemplo “A Dama das Camélias”, algo que vou fazer. Ainda não posso dizer quando, mas vou mesmo fazer. Gosto deste repertório mas gosto ainda do teatro do horror, do boulevard do crime. Ui, há dramaturgias sem fim que gostava de explorar (risos).



Entrevista realizada a 26 de abril 2018, no Teatro Rivoli, por José Reis, coordenador de comunicação do TMP
Imagem © José Caldeira / TMP
Victor Hugo Pontes

2 Dezembro 2019

Victor Hugo Pontes

Entrevista

Coreógrafo
Sara Carinhas

15 Novembro 2019

Sara Carinhas

Entrevista

atriz e encenadora 
Modos de Ocupar: o diferente do diferente não é o igual

24 Outubro 2019

Modos de Ocupar: o diferente do diferente não é o igual

Primeira conferência de ciclo com Pedro Santos Guerreiro realizou-se, esta quarta-feira, no Rivoli

Arrancou ontem, no Teatro Rivoli, o ciclo de conferências Modos de Ocupar, com curadoria e moderação de Pedro Santos Guerreiro.
Estrutura

20 Setembro 2019

Estrutura

Entrevista

Cátia Pinheiro & José Nunes
encenadores e atores

1, 2, 3...

18 Junho 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Manuel Bogalheiro

Universidade Lusófona do Porto
"Do Comum" e "Do Estranho" ⁄ Ciclos de conferências
Maria do Céu Ribeiro & Paulo Mota

14 Junho 2019

Maria do Céu Ribeiro & Paulo Mota

Entrevista

sobre "O amigo secreto"
Anarquivo

3 Junho 2019

Anarquivo

B’lheq

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo. 
1, 2, 3...

31 Maio 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Pedro Sobast

Understage ⁄ Catacombe
1, 2, 3...

24 Maio 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Miguel Bonneville

"A importância de ser Georges Bataille"
DDD + FITEI 2019 no TMP:

25 Abril 2019

DDD + FITEI 2019 no TMP:

Cinco semanas de programação de dança e teatro, com o Brasil em destaque

Entre 24 de abril e 25 de maio, o DDD – Festival Dias de Dança e o FITEI – Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica unem-se numa grande parceria de programação e comunicação de dança e teatro, com o Teatro Municipal do Porto (TMP) a ser palco de apresentação de mais de duas dezenas de espetáculos, workshops, encontros, atividades paralelas e festas pós-espetáculo.
Miquel Bernat

1 Abril 2019

Miquel Bernat

Entrevista

sobre "Textures & lines"
1, 2, 3...

26 Março 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a John Romão

BoCA - Biennial of Contemporary Arts 2019

19 Março 2019

"Moving with Pina":

A obra de Pina Bausch pelos gestos de Cristiana Morganti

Cristiana Morganti apresenta, em estreia nacional, a conferência performativa "Moving with Pina", nos dias 22 e 23 de março, no Teatro Campo Alegre, onde partilha as suas vivências com a coreógrafa alemã ao longo de 11 anos.
1, 2, 3...

18 Março 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a João Sousa Cardoso

Multiplex 2019: Bette Gordon
1, 2, 3...

15 Março 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Gustavo Costa e Igor Gandra (Sonoscopia & Teatro de Ferro)

"W - Concerto encenado para orquestra robótica e marionetas"
1, 2, 3...

11 Março 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a António Júlio

"O Dia da matança na história de Hamlet"

1 Março 2019

"Os 120 dias de Sodoma": o controverso encenador Milo Rau, no Teatro Rivoli

Nos dias 7 e 8 de março, o controverso encenador Milo Rau apresenta, em estreia nacional, “Os 120 dias de Sodoma”, no Teatro Rivoli – um trabalho que desenvolve as pesquisas em torno do voyeurismo e as suas implicações políticas e artísticas.
1, 2, 3...

27 Fevereiro 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Tiago Cutileiro

"Tudo nunca sempre o mesmo diferente nada"
Jorge Andrade

20 Fevereiro 2019

Jorge Andrade

Entrevista

sobre "A manual on work and happiness"
Anarquivo

13 Fevereiro 2019

Anarquivo

Sobre Anarquismos, de Pablo Fidalgo Lareo

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.
Anarquivo

12 Fevereiro 2019

Anarquivo

Sobre Unwanted, de Dorothée Munyaneza

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo.
1, 2, 3...

6 Fevereiro 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Marta Freitas

Curtas de Cena Portuguesa 
Miguel Loureiro

28 Janeiro 2019

Miguel Loureiro

Entrevista

sobre "A fera na selva"

28 Janeiro 2019

"Unwanted" de Dorothée Munyaneza

Um relato a partir das histórias reais das vítimas do genocídio em Ruanda

Na sexta-feira, dia 1 de fevereiro, Dorothée Munyaneza apresenta, em estreia nacional, no Teatro Campo Alegre, o espetáculo “Unwanted” – um trabalho que conta a história de mulheres violadas.  
87º Aniversário Rivoli: 100 habitantes do Porto ajudam a apagar as velas

18 Janeiro 2019

87º Aniversário Rivoli: 100 habitantes do Porto ajudam a apagar as velas

Nos dias 19 e 20 de janeiro, o Teatro Rivoli celebra os seus 87 anos de “vida” numa festa de 48h - com dança, teatro, música, literatura, performance e ainda uma festa até às 04h00 - onde 100 habitantes do Porto ajudam a apagar as velas. 
100% Porto: Teatro Rivoli comemora o seu 87º aniversário em dois dias de festa

14 Janeiro 2019

100% Porto: Teatro Rivoli comemora o seu 87º aniversário em dois dias de festa

A 19 e 20 de janeiro, o Teatro Rivoli celebra o seu aniversário com mais de uma dezena de espetáculos com entrada gratuita propostos por artistas e companhias da cidade.