Miquel Bernat

1 Abril 2019

Miquel Bernat

Entrevista

sobre "Textures & lines"
Miquel Bernat • 52 anos • Músico

Como surgiu a ideia e o porquê desta colaboração do Drumming Grupo de Percussão (Drumming GP) com os músicos Joana Gama e Luís Fernandes

A ideia surgiu já há algum tempo, há mais ou menos um ano. Dentro do Drumming GP estamos sempre a tentar perceber como nos podemos expandir, quais são e onde podem terminar as fronteiras da percussão e de que forma se pode associar a percussão a outros elementos. Como já conhecia a Joana e o Luís, decidimos que gostaríamos de fazer algo em conjunto – espetáculos ou outro tipo de parceria – e, inicialmente, foi tudo conversado de uma forma informal. Apenas neste último ano é que começamos a assentar as bases desta colaboração, para que – de uma forma afetiva – resultasse na criação de um espetáculo novo.

Tendo em conta as características e os instrumentos distintos do Drumming GP (percussão) e da Joana Gama (piano) e Luís Fernandes (eletrónica), como perspetivas este entrosamento entre diferentes estilos e linguagens? 

Mais que os diferentes instrumentos, temos sempre em consideração o imperativo da imaginação. Na minha opinião, a criação de uma simbiose resulta sempre de um momento de criatividade forte, da procura dos genes em comum que levem ao surgimento e criação do espetáculo. Acho que essa divergência, esses mundos tão longínquos entre a percussão e, sobretudo, a eletrónica – porque o piano acaba por ser também um instrumento de percussão – que no princípio parecem estar tão distanciados, na realidade acabam por ser, mais do que pontos em comum, ser trampolins para alcançar outros campos e leituras musicais. 

Nesse sentido, o nome “Textures & lines”, surge do princípio de exploração dos diferentes estilos, com o objetivo de encontrar genes em comum entre os diferentes instrumentos e músicos que integram este concerto? 

De facto, queríamos que a percussão não fosse apenas um elemento rítmico mas que, a partir do ritmo, potenciasse texturas e não apenas um ritmo forte. Os ritmos quando se convertem em poliritmos e crescem em número, mais do que sentir um ritmo, o que se sente é uma textura. Daí a ideia de criarmos diferentes linhas, diferentes peças que tenham entre si uma continuidade e um caminho fácil de seguir, criando uma coerência entre si. Cada uma dessas linhas terá uma sequência apesar das diferentes texturas existentes.

Como é que encaras este processo de criação e composição musical, dado que o Drumming GP, em vários projetos e concertos, interpreta obras de outros autores? 

É um desafio! Apesar de elementos do Drumming GP dedicarem-se à composição em alguns momentos e noutros projetos, não é muito comum para nós desenvolver uma parceria como esta, num tempo tão limitado e numa espécie de residência artística de curta duração. Ainda agora acabamos de fazer uma residência em Serralves com o Mark Fell, que resultou no lançamento de um vinil no Reino Unido – pelo qual ficamos muito contentes – e também aguardamos com muita expectativa este encontro com a Joana Gama e o Luís Fernandes. Para já, ainda estamos abertos totalmente, de parte a parte, para ver de onde surgem as ideias, por onde se encaminhará todo o material e criação musical. Cada músico que irá integrar este concerto está a pensar em algumas ideias, para não entrar de mãos vazias. Mas o objetivo da composição é que no momento em que nos debruçarmos sobre as ideias de cada elemento, este se relacione com as ideias dos outros e se desenvolva facilmente um ponto em comum.

A decisão de incluir um caráter visual ao concerto “Textures & Lines”, através da integração dos visuais do artista Pedro Maia, deve-se ao lado cinematográfico para que a música de Joana Gama e Luís Fernandes nos remete em muitas situações? 

Exatamente! A ideia surgiu por parte da Joana e do Luís, que quiseram que houvesse algo mais no concerto e nós gostamos e concordamos. Em alguns concertos passados também já tínhamos introduzido esse lado visual. Em “Textures & Lines” o aspeto visual estará muito presente, como tal, o Pedro Maia é a pessoa ideal para integrar este projeto.

Para além da apresentação deste concerto, que outros planos e projetos o Drumming GP prevê apresentar no próximo ano e quais as perspetivas para 2019? 


Temos vários projetos e perspetivas muito diversas! Começamos em janeiro com um espetáculo no Auditório do Museu Reina Sofia, em Madrid, relacionado com um compositor espanhol e com o compositor português Luís Tinoco, numa espécie de conversa entre os dois, que se chama “Pocket Paradise”. O objetivo é criar um paraíso de bolso, num espetáculo pequeno, que vai durar pouco mais de uma hora. Depois, iremos estar presentes no Teatro Nacional São João com um espetáculo sobre a luz. O título deste projeto ainda está por definir mas estará relacionado com a luz, porque esta irá assumir-se como o fio condutor do espetáculo, que terá um forte caráter visual. No próximo ano, temos também o vigésimo aniversário do Drumming GP, onde iremos voltar revisitar Steve Reich, depois de mais de cinco em que não exploramos este autor, tocando várias peças dele que ainda não foram apre sentadas no Porto. Para além disso, temos também o lançamento de um disco monográfico de Luís Tinoco e a apresentação do espetáculo “Mikrophonie” de Karlheinz Stockhausen. Posso falar também da reposição de “Cribles/Porto”, uma colaboração com a companhia francesa de Emmanuelle Huynh e com coreografia da Companhia Instável a ser apresentada em Serralves. Com esta mesma companhia [Companhia Instável] lançamos um novo espetáculo baseado no novo minimalismo americano, com a interpretação da peça “Timber” de Michael Gordon. Vamos estar presentes também no “Made in ESMAE”, um pequeno festival de percussão que decorre no Teatro Helena Sá e Costa e iremos estar, mais uma vez, no Museu de Serralves com uma peça nova de Vasco Mendonça. Tendo sempre o Teatro Campo Alegre como espaço que nos permite criar estes espetáculos. Acaba, portanto, por ser um ano marcado pelo nosso vigésimo aniversário, e em que procuramos demonstrar as várias facetas do Drumming GP.


Entrevista realizada a 2 de outubro de 2018, no Teatro Rivoli, por Francisco Santos, do Gabinete de Comunicação do TMP
Imagem © Pedro Sardinha
Victor Hugo Pontes

2 Dezembro 2019

Victor Hugo Pontes

Entrevista

Coreógrafo
Sara Carinhas

15 Novembro 2019

Sara Carinhas

Entrevista

atriz e encenadora 
Modos de Ocupar: o diferente do diferente não é o igual

24 Outubro 2019

Modos de Ocupar: o diferente do diferente não é o igual

Primeira conferência de ciclo com Pedro Santos Guerreiro realizou-se, esta quarta-feira, no Rivoli

Arrancou ontem, no Teatro Rivoli, o ciclo de conferências Modos de Ocupar, com curadoria e moderação de Pedro Santos Guerreiro.
Estrutura

20 Setembro 2019

Estrutura

Entrevista

Cátia Pinheiro & José Nunes
encenadores e atores

1, 2, 3...

18 Junho 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Manuel Bogalheiro

Universidade Lusófona do Porto
"Do Comum" e "Do Estranho" ⁄ Ciclos de conferências
Maria do Céu Ribeiro & Paulo Mota

14 Junho 2019

Maria do Céu Ribeiro & Paulo Mota

Entrevista

sobre "O amigo secreto"
Anarquivo

3 Junho 2019

Anarquivo

B’lheq

Um registo livre a partir dos espetáculos da temporada para reativar o discurso das conversas pós-espetáculo e repensar o nosso tempo. 
1, 2, 3...

31 Maio 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Pedro Sobast

Understage ⁄ Catacombe
1, 2, 3...

24 Maio 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a Miguel Bonneville

"A importância de ser Georges Bataille"
DDD + FITEI 2019 no TMP:

25 Abril 2019

DDD + FITEI 2019 no TMP:

Cinco semanas de programação de dança e teatro, com o Brasil em destaque

Entre 24 de abril e 25 de maio, o DDD – Festival Dias de Dança e o FITEI – Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica unem-se numa grande parceria de programação e comunicação de dança e teatro, com o Teatro Municipal do Porto (TMP) a ser palco de apresentação de mais de duas dezenas de espetáculos, workshops, encontros, atividades paralelas e festas pós-espetáculo.
Miquel Bernat

1 Abril 2019

Miquel Bernat

Entrevista

sobre "Textures & lines"
1, 2, 3...

26 Março 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a John Romão

BoCA - Biennial of Contemporary Arts 2019

19 Março 2019

"Moving with Pina":

A obra de Pina Bausch pelos gestos de Cristiana Morganti

Cristiana Morganti apresenta, em estreia nacional, a conferência performativa "Moving with Pina", nos dias 22 e 23 de março, no Teatro Campo Alegre, onde partilha as suas vivências com a coreógrafa alemã ao longo de 11 anos.
1, 2, 3...

18 Março 2019

1, 2, 3...

... Perguntas a João Sousa Cardoso

Multiplex 2019: Bette Gordon