Jonathan Uliel Saldanha

3 x LITHIUM SOLO DRILL

Jonathan Uliel Saldanha

© Carlos Lobo

Junho

1821.00hSex
1919.00hSáb

CAMPO ALEGREAuditório

Instalação
Estreia
Artista Associado 2020/2021 & 2021/2022
Preço 9€
Duração A definir
Três solos vídeo para corpos prostéticos em movimento. Estruturados como drills marciais e filmados em terreiros urbanos a partir de eixos espaciais onde arquitetura, eletricidade e paisagem embatem com noções de natureza, camuflagem e cura.


JONATHAN ULIEL SALDANHA é músico, artista visual, construtor sonoro e cénico. Investiga zonas de intercepção entre a pré-linguagem, alteridade, ficção científica, o som enquanto vector de contágio e a tensão entre o sintético e a paisagem. Em 2019 estreou a peça para voz e escultura SCOTOMA CINTILANTE / DISMORFIA (Universidade Católica do Porto, BoCA – Bienal of Contemporary Arts, Teatro Nacional São Carlos), a peça para percussão electrónica BROKEN FIELD ATLANTIS (no âmbito do FITEI – Festival Internacional de Expressão Iberica, no Teatro Rivoli), a exposição PLAGUE VECTOR (Galeria Municipal de Braga), LOCUS HORRIBILIS (Galeria Solar), BEHEMOTH REPUBLIC (Geometria Sónica no Arquipélago — Centro de Artes). Entre 2016 e 2018, apresentou a instalação Vocoder & Camouflage, a peça O POÇO, a instalação OXIDATION MACHINE, a exposição AFASIA TÁTICA e a peça/filme SØMA nos festivais DDD – Festival Dias da Dança, Verão Azul, Festival DoDisturb — no Palais de Tokyo (Paris) —, Anozero Bienal de Coimbra, Culturgest, Cordoaria Nacional Lisboa. Em 2012 foi co-curador do programa “SONORES - som/espaço/sinal” para a Capital Europeia da Cultura de Guimarães. Foi, desde 2009, co-criador das peças cénicas Nyarlathotep e Máquina da Selva apresentadas no Accès(s) Festival, Balleteatro e no Museu de Serralves. Compôs ainda uma série de peças para voz, electrónica e espaço ressonante: KHOROS ANIMA, SANCTA VISCERA TUA, DEL, SILVO UMBRA e PLETHORA. Colabora desde então com a artista Catarina Miranda nas suas peças. Atuou em concertos nos festivais Unsound, Le Guess Who?, Sónar, Primavera Sound, Amplifest, Out.Fest, Milhões de Festa, Neopop e Elevate. Dirige o projeto HHY & The Macumbas e foi o fundador do coletivo SOOPA — editora e programadora de concertos e performance iniciada em 1999, no Porto. Tem o filme/ensaio MÁQUINA DA SELVA / MUNDO DE CRISTAL, editado pelo Museu de Serralves. É artista associado do Teatro Municipal do Porto para as temporadas 202/2021 e 2021/2022.

Junho

1821.00hSex
1919.00hSáb

CAMPO ALEGREAuditório

Instalação
Estreia
Artista Associado 2020/2021 & 2021/2022
Preço 9€
Duração A definir
Produção Teatro Municipal do Porto, SOOPA