Jonathan Uliel Saldanha

Mercúrio Vermelho

Jonathan Uliel Saldanha

© DR

Espetáculos

10 — 13vários horáriosQui — Dom

RIVOLIPalco do Grande Auditório

Performance ⁄ Instalação
Artista Associado 2020/2021 & 2021/2022
Estreia
Preço 7€
Duração 40min
Classificação etária >12
# Contaminação, Contágio, El-dorado, Vocoder, Neo-Orfeu, Máquina Oráculo, Sangue Mineral, Vampiro Prostético, Lago Bacteriológico, Máscara Da Morte Vermelha, Necromante, Sub-sónico, Superfície, Paisagem # Um monodrama oracular composto a partir de um testemunho mineral-orgânico. Mercúrio Vermelho é um percurso acústico e plástico que segue o delírio pela extração de metais preciosos através do testemunho de uma das suas figuras mais elusivas, o Mercúrio Vermelho. Este monólogo para voz sintética é interpretado por um vampiro - aquele que suga o sangue da terra – num limiar em que uma e outra figura se contaminam, evocando os seus trajetos cruzados assim como as múltiplas histórias, mitos e teorias da conspiração que as rodeiam. Filmado em Kampala, Uganda, durante o lockdown covid-19, Mercúrio Vermelho projeta-se como uma paisagem sintética a ser percorrida pelo visitante. — Jonathan Saldanha


JONATHAN ULIEL SALDANHA é músico, artista visual, construtor sonoro e cénico. É artista associado do Teatro Municipal do Porto. Investiga zonas de intercepção entre a pré-linguagem, alteridade, ficção científica, o som enquanto vector de contágio e a tensão entre o sintético e a paisagem. Em 2019 estreou a peça para voz e escultura SCOTOMA CINTILANTE / DISMORFIA (Universidade Católica do Porto, BoCA, Teatro Nacional São Carlos, Lisboa), a peça para percussão electrónica BROKEN FIELD ATLANTIS (FITEI, TM Rivoli), a exposição PLAGUE VECTOR (Galeria Municipal de Braga), LOCUS HORRIBILIS (Galeria Solar), BEHEMOTH REPUBLIC (Geometria Sónica no Arquipélago - Centro de Artes). Entre 2016/18, apresentou a instalação Vocoder & Camouflage, a peça O POÇO, a instalação OXIDATION MACHINE, a exposição AFASIA TÁTICA e a peça/filme SØMA nos festivais Festival DDD, Verão Azul, Festival DoDisturb - Palais de Tokyo, Anozero Bienal de Coimbra, Culturgest, Cordoaria Nacional Lisboa. Em 2012 foi co-curador do programa SONORES - som/espaço/sinal para a Capital Europeia da Cultura de Guimarães. Foi, desde 2009, co-criador das peças cénicas Nyarlathotep e Máquina da Selva apresentadas no Accès(s) Festival, Balleteatro e no Museu de Serralves. Compôs ainda uma série de peças para voz, electrónica e espaço ressonante: KHOROS ANIMA, SANCTA VISCERA TUA, DEL, SILVO UMBRA e PLETHORA. Colabora desde então com a artista Catarina Miranda nas suas peças. Atuou em concertos nos festivais Unsound, Le Guess Who?, Sónar, Primavera Sound, Amplifest, Out.Fest, Milhões de Festa, Neopop ou Elevate. Dirige o projeto HHY & The Macumbas e foi o fundador do coletivo SOOPA, editora e programadora de concertos e performance iniciada em 1999, no Porto. Tem o filme/ensaio MÁQUINA DA SELVA / MUNDO DE CRISTAL editado pelo Museu de Serralves.

Espetáculos

10 — 13vários horáriosQui — Dom

RIVOLIPalco do Grande Auditório

Performance ⁄ Instalação
Artista Associado 2020/2021 & 2021/2022
Estreia
Preço 7€
Duração 40min
Classificação etária >12
Direção, Música Jonathan Saldanha
Dramaturgia Godofredo Pereira, Jonathan Saldanha
Texto Godofredo Pereira
Vídeo: Oráculo Biga Yut, Maquilhagem Jorge Kizzy, Câmara Mantas Kvedaravicius
Instalação: Luz Letícia Skryky, Imagens geradas por computador AALTAR System
Espaço cénico Catarina Miranda
Produção executiva Joaquim Durães
Direção técnica Eduardo Maltez
Operação de som José Arantes
Gestão administrativa Pé de Cabra
Produção SOOPA
Apoio Direção Geral das Artes
Coprodução Teatro Municipal do Porto