PAR(S) 3

Sofia Arriscado & Costanza Givone
Lapso

PAR(S) 3

© DR

TMP ONLINE

Junho

1 — 30em contínuo

TMP ONLINE

Cinema ⁄ Formas animadas
Artes Performativas e Imagem Online
Estreia
Preço Gratuito 
Duração 10min
Classificação etária >12
Recebi feijões em lugar de dentes
despejei o sangue numa garrafa
vesti a língua para lavar a loiça
troquei um rim por um sabonete
ofereci o mamilo a Sant’Agata.
Perdi as cortinas de pele que fecham o quarto.



Num mundo crescentemente digital e em velocidade, surge a necessidade abrandarmos e de desenvolvermos novos formatos de apresentação e sobretudo novos formatos de criação e modos de trabalho que nos permitam continuar a consolidar os trabalhos artísticos, na realidade atual. Numa temporada híbrida entre o presencial e o digital, o Teatro Municipal do Porto convida 8 artistas para uma colaboração especial, desenhada especificamente para as plataformas online, onde um realizador e um artista performativo, em dupla, a par e par e numa relação de igualdade, são convidados a criar um novo objeto digital que cruze os seus universos e discursos. A imagem em movimento cruza-se assim com as áreas da dança, circo contemporâneo, literatura, teatro e formas animadas, permitindo também desta forma que vários públicos, mesmo os mais distantes, possam aceder a estes trabalhos.


SOFIA ARRISCADO estudou realização na ETIC e pós-produção audiovisual na Restart em Lisboa e filosofia na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. 
Trabalha nas áreas de registo documental, videoarte e cinema experimental. Trabalha desde 2006 com artistas ligados à música, ao teatro e à dança. 
Foi operadora de câmara e montadora do filme Jovens de Atenas de Pauliana V. Pimentel e operadora de câmara no filme Eco da Víscera de Jonathan Uliel Saldanha. 
Do seu trabalho autoral destacam-se Ou-topos (2013) e Fasma (2017). Integrou o comité de seleção para a Competição Internacional do festival de cinema Porto/Post/Doc (2016-2018). Em 2020 participou na publicação Ficha Técnica, projeto do Gabinete Paratextual, com o fascículo Dez Maçãs. É cofundadora da cooperativa de cinema experimental Laia. 

COSTANZA GIVONE é Mestre em artes cénicas e pós-graduada em dança contemporânea na ESMAE (Porto). Estudou no C.E.M. (Centro Em Movimento, Lisboa), no CPDC (Centro de Aperfeiçoamento em Dança Contemporânea de Florença) e teatro no Teatro del Giglio (Lucca). No seu percurso artístico destaca os artistas N. Karpov, Simona Bucci, Sofia Neuparth, Alexej Merkushev (companhia Derevo theatre), Gey Pin Ang e Gabriella Bartolomei, com os quais estudou, e a experiência de cocriação e interpretação com Madalena Victorino, Aldara Bizarro, André Braga e Cláudia Figueiredo. Em 2006 foi cofundadora da companhia Zaches Teatro para aprofundar o estudo da relação do corpo com o objeto, a máscara, a marioneta. Desde 2012, além do trabalho de intérpretedesenvolve projetos pessoais em colaboração com artistas de diferentes áreas: Exposição (estreia TMP, Porto, 2021), Fogo Lento (projeto vencedor da Bolsa Isabel Alves Costa 2018), Famílias (projeto-satélite Circolando), Tempo Rói (estreia TAGV, Coimbra, 2015), Santas de Roca (produção Artemrede 2013), Salomè ha perso il lume (finalista do Prémio Scenario, estreia no FIMFA). Entre 2015 e 2019, graças aos projetos Espírito do Lugar 1.0, 2.0, 3.0, 4.0, 5.0 e Derivas, com a direção artística de André Braga e Cláudia Figueiredo, desenvolveu trabalhos site-specific no Porto e em Coimbra. É cofundadora e diretora artística da Fogo Lento-associação cultural.

TMP ONLINE

Junho

1 — 30em contínuo

TMP ONLINE

Cinema ⁄ Formas animadas
Artes Performativas e Imagem Online
Estreia
Preço Gratuito 
Duração 10min
Classificação etária >12