Vasco Mendonça & Gonçalo M. Tavares

O Lobo, a Menina e o Caçador

Vasco Mendonça & Gonçalo M. Tavares

© Kim Krijnen

Foco Famílias 2022

Dezembro

9/12 sex14:30escolas
10/12 sáb 15:30

CAMPO ALEGREAuditório

ópera ⁄ floresta ⁄ empatia ⁄ compreensão
Estreia nacional
Preço 2.50€ (crianças, grupos escolares) / 7€ (adultos)
Duração 40min
Classificação etária 6+
E se a floresta não for exatamente o que parece? Talvez aqueles que parecem amáveis sejam apenas tolos. E talvez aqueles que parecem perigosos afinal não sejam assim tão perigosos. Desonesto e ganancioso: é assim que conhecemos o lobo, nos contos de fadas que nos contam. Mas, e se o lobo for só incompreendido? E se olharmos pelo seu ponto de vista? Aquele incidente com a Capuchinho Vermelho, aquela cena à porta dos porquinhos: nada é tão simples como pensamos. Por uma série de mal-entendidos, preconceitos, azar e coincidências bizarras, o lobo foi retratado como o vilão. É mais do que tempo de restaurar a sua honra. Ao inverter radicalmente a perspetiva existente sobre o papel do lobo, este espetáculo abre um espaço para a necessidade de empatia e tolerância na nossa sociedade atual. — Vasco Mendonça


A música de Vasco Mendonça tem sido amplamente interpretada internacionalmente por grupos como Asko|Schoenberg Ensemble, Nieuw Ensemble, Axiom Ensemble, Remix Ensemble, International Contemporary Ensemble (ICE), São Paulo Symphony [OSESP], Orquestra Gulbenkian, Orquestra Sinfónica Casa da Música e Drumming GP. Tem sido convidado e apresentado em grandes festivais de música como Festival d'Aix-en-Provence, Aldeburgh Music, Verbier Festival, Musica Nova Helsinki, Musica Strasbourg, November Music, Gaudeamus Music Week e Morelia Music Festival, e em espaços como como a Philharmonie de Paris, Lincoln Center, Het Concertgebouw Amsterdam, La Monnaie, Kaaitheater, Grand Théâtre du Luxembourg, Elbphilharmonie, Centro Cultural Del Bosque, National Sawdust, Concertgebouw Brugge, Kölner Philharmonie, de Singel, Mousonturm Frankfurt, Casa da Música e Fundação Gulbenkian. O seu interesse em compor para o palco levou-o a colaborar com algumas das mais modernas companhias de teatro musical da Europa, como Music Theatre Wales, Muziektheater Transparant e LOD Muziektheater, e com encenadores como Katie Mitchell, Michael McCarthy e Luís Miguel Cintra. Os seus trabalhos têm sido publicados pela Editions Alphonse Leduc (Wise Music Classical) e gravados pelas editoras Naxos e Classic Concert Records. Mendonça estudou com Klaas de Vries e George Benjamin, tendo sido distinguido com o Prémio de Composição Lopes Graça, ROLEX Mentor e Protegé Arts Initiative (com Kaija Saariaho), Compositor-Residente na Casa da Música, várias bolsas artísticas do Ministério da Cultura e a representação de Portugal na UNESCO’s International Rostrum of Composers.

Inne Goris formou-se na Toneelacademie Maastricht em 1997, com a performance Niet in staat tot slechte dingen. Após ter trabalhado como assistente educacional na BRONKS, uma produtora de Bruxelas de teatro infantil e juvenil, e como dramaturga na Ultima Vez, companhia de Wim Vandekeybus, fundou a companhia ZEVEN em 2001. Neste mesmo ano, em colaboração com a BRONKS, estreou a performance familiar Zeven, que contou com várias apresentações para crianças e famílias. Desde 2009, criou várias produções para a LOD muziektheater, uma casa de produção de ópera e teatro musical em Gent. Nas suas criações e encenações, tem como objetivo explorar os resquícios de um todo maior e tornar visível o que está oculto. Esta procura resulta em performances peculiares que se equilibram nas estreitas fronteiras entre arte, teatro e dança.

Gonçalo M. Tavares é um escritor português. Publicou o seu primeiro trabalho em 2001 e desde então tem recebido vários prémios importantes. Sendo considerado o melhor escritor português da sua geração e um dos escritores mais influentes da Europa, os seus livros foram publicados em mais de 50 países. Estudou Física e Arte e ensina Epistemologia na Universidade Técnica de Lisboa. O seu universo literário original recebeu vários elogios da crítica. Na sua prolífica produção literária, surpreendeu com a variedade de livros que publicou desde 2001 e conquistou um número impressionante de prémios literários nacionais e internacionais, incluindo o Prémio José Saramago para jovens escritores com menos de 35 anos, o Prémio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa, o Prémio LER/ Millennium, o conceituado Grande Prémio da Associação Portuguesa de Escritores, bem como o prestigiado Prémio Literário Fernando Namora. A obra Aprender a Rezar na Era da Técnica recebeu o Prémio de Melhor Livro Estrangeiro 2010 em França e ganhou o Prémio Especial do Júri do Grand Prix Littéraire du Web Cultura 2010. O romance Jerusalém, de 2005, foi incluído no edição de 1001 Books to Read Before You Die - a guide to the most important novels of all time. O escritor português e Prémio Nobel José Saramago disse sobre o autor: “Não seria exagero dizer — com todo o respeito pelos jovens romancistas portugueses de hoje — que há um campo literário antes de Gonçalo M. Tavares, e outro depois".

Foco Famílias 2022

Dezembro

9/12 sex14:30escolas
10/12 sáb 15:30

CAMPO ALEGREAuditório

ópera ⁄ floresta ⁄ empatia ⁄ compreensão
Estreia nacional
Preço 2.50€ (crianças, grupos escolares) / 7€ (adultos)
Duração 40min
Classificação etária 6+
Música Vasco Mendonça
Libreto Gonçalo M. Tavares
Encenação Inne Goris
Cenário e luz Stef Stessel
Figurinos Lotte Boonstra
Video Coen Bouman
Direção musical Jan Wierzba
Soprano Lara Rainho
Mezzo soprano Mariana de Sousa
Contratenor Logan Lopez Gonzalez
Percussão Frank Van Eycken (Spectra Ensemble)
Guitarra elétrica Nico Couck
Clarinete Yuko Fukumae
Violoncelo Seraphine Stragier
Encomenda Teatro Municipal do Porto, Dutch Nationale Opera, LOD muziektheater, Teatro Luís de Camões
Coprodução Cineteatro Louletano, Philharmonie Luxembourg, Spectra Ensemble