Palcos Instáveis

Andreia Marinho & Andreia Alpuim
Ninguém me ensinou a Olhar

Palcos Instáveis

© Joaquim Leal

Outubro

22/10 sáb 21:30
23/10 dom 17:00

CAMPO ALEGRECafé-Teatro

dança
Estreia
Em parceria com Instável — Centro Coreográfico
Preço 7€
Duração 45min
Classificação etária 12+
“Como aconteceu com tudo o que julgo saber, tive de aprender a olhar, sozinho, as coisas que me rodeiam.” O movimento das coisas, talvez… de José-Manuel Xavier

Andreia Marinho é natural de Aveiro (1995). Iniciou a sua formação em 2011 na Companhia de Dança de Aveiro sob orientação de Álvaro Ribeiro. Depois, na Escola de Dança Sandra Leite, contou com a orientação de Sandra Leite e Rita Pinheiro. Em 2015 integrou a primeira edição do projeto Companhia Dancenter com direção artística de Liliana Garcia. Licenciada em Dança pela Escola Superior de Dança de Lisboa (2019) destaca, além do corpo docente da ESD, o trabalho com Liliana Garcia, Paula Pinto, Elisabete Magalhães, Maria Antunes, Miguel Ramalho e Victor Hugo Pontes. Em 2020 estreou a primeira versão de Ninguém me Ensinou a Olhar como parte de um projeto para diplomados da ESD. Em setembro de 2021 integra o projeto Corpo em Cadeia, com coordenação de Catarina Câmara. Foi assistente de ensaio da peça A minha história não é igual à tua de Olga Roriz, no contexto do mesmo projeto, com estreia na Fundação Calouste Gulbenkian, em julho de 2022. Atualmente, interpreta, a solo, uma criação de Natacha Campos, com estreia marcada para setembro.

Andreia Alpuim é natural de Viana do Castelo (1996). Iniciou os estudos em dança no Balleteatro no ano de 2012. Em 2015, integrou como estagiária o projeto “CriblesLive Porto” de Emmanuelle Huynh para a Companhia Instável. Desde 2017, colabora como coreógrafa na companhia de Artes Performativas “Em Movimento” da APPACDM em Ponte de Lima. Em 2019, concluiu a licenciatura em Dança pela Escola Superior de Dança. Profissionalmente destaca a participação em projetos de Ricardo Machado, Miguel Pereira, Flávio Rodrigues e Liliana Garcia. Em 2020 foi assistente de ensaio da peça de Olga Roriz, Seis Meses Depois. No mesmo ano, estreou a peça em co-criação com Andreia Marinho Ninguém me ensinou olhar, no Teatro José Lúcio da Silva (Leiria) e Coliseu Porto Ageas (Porto). Em 2021, frequentou a Formação Avançada em Interpretação e Criação Coreográfica (FAICC) pela Companhia Instável, (Porto), e estreou o solo em colaboração com o artista plástico Joaquim Leal “Ninguém sabe muito bem o que isto é” (Fábrica Braço de Prata (Lisboa) e festival ANTRE (Viana do Castelo). Atualmente, frequenta o Mestrado em Criação Coreográfica e Práticas Profissionais pela ESD, Lisboa.
Desde 2022 é membro do Coletivo Artístico MADRASTA sediado no Porto, com quem estreou a peça Outros Lugares no Teatro Aveirense e Estaleiro Teatral de Aveiro.


Desde a sua criação em 2012 que o ciclo Palcos Instáveis incentiva o trabalho de criadores emergentes da cidade do Porto e do Norte do país. Com a assinatura da Instável — Centro Coreográfico e a coprodução do Teatro Municipal do Porto, os Palcos Instáveis facilitam residências artísticas de criação, a produção, a comunicação e apresentação de novas obras, possibilitando o cruzamento de experiências artísticas e oferecendo à cidade o contacto com linguagens coreográficas emergentes.

Outubro

22/10 sáb 21:30
23/10 dom 17:00

CAMPO ALEGRECafé-Teatro

dança
Estreia
Em parceria com Instável — Centro Coreográfico
Preço 7€
Duração 45min
Classificação etária 12+
Direção Andreia Alpuim, Andreia Marinho
Criação e Interpretação Andreia Alpuim, Andreia Marinho, Joana Cunha Pinto
Música João Carlos Pinto, Chico Buarque
Fotografia Joaquim Leal