Cláudia Dias / Sete Anos

Quinta-feira: Abracadabra

Cláudia Dias / Sete Anos

© Alípio Padilha

Ciclo Sete Anos Sete Peças

Novembro

24/11 qui 19:30

CAMPO ALEGRECafé-Teatro

palavras ⁄ significado ⁄ pessoas
Preço 9€
Duração 50min
Classificação etária 6+
Na quarta criação do projeto Sete Anos Sete Peças, Cláudia Dias e Idoia Zabaleta dão novos usos a palavras gastas. Partem do zero para voltar a combinar com as pessoas presentes os significados mínimos de cada palavra. Paz, pão, trabalho, educação querem dizer o quê, mais propriamente? Demonstrando a verdadeira relação entre as coisas e as palavras, buscando os nomes ocultos da injustiça, da desigualdade e da opressão, as artistas procuram as palavras mágicas para mover corpos, e mundos.


Cláudia Dias (Lisboa, 1972) formou-se em dança na Academia Almadense, na Companhia de Dança de Lisboa e no Forum Dança. Frequentou o mestrado em artes cénicas na Universidade Nova de Lisboa. Integrou o Grupo de Dança de Almada e o coletivo Ninho de Víboras. Colaborou com a RE.Al, tendo sido uma intérprete central na estratégia de criação de João Fiadeiro e no desenvolvimento, sistematização e transmissão da Técnica de Composição em Tempo Real. Leciona regularmente oficinas de Composição Coreográfica e de Composição em Tempo Real. Criou as peças One Woman Show, Visita Guiada, Das coisas nascem coisas, Vontade De Ter Vontade e Nem tudo o que dizemos tem de ser feito nem tudo o que fazemos tem de ser dito. Atualmente desenvolve o projeto Sete Anos Sete Peças.

Ciclo Sete Anos Sete Peças

Novembro

24/11 qui 19:30

CAMPO ALEGRECafé-Teatro

palavras ⁄ significado ⁄ pessoas
Preço 9€
Duração 50min
Classificação etária 6+
Direção artística Cláudia Dias
Artista convidada Idoia Zabaleta
Assistência dramatúrgica e técnica Karas
Texto e interpretação Cláudia Dias, Idoia Zabaleta
Cenografia, desenho de luz e direção técnica Nuno Borda de Água
Música Fuego de Bomba Estéreo, Banho de Elza Soares, De dentro do Ap de Bia Ferreira, Canción Total de Maria Arnal (part. Marcel Bagés)
Vídeo Bruno Canas
Fotografia Alípio Padilha
Acompanhamento crítico Jorge Louraço Figueira
Produção em digressão Pé de Cabra
Coprodução Alkantara com Teatro Municipal do Porto, Teatro Municipal São Luiz, Moare Danza
Residências artísticas e apoio Azala, L’animal a l’esquena, O Espaço do Tempo
Agradecimentos Mursego, María Arnal y Marcel Bagés, Hélder Azinheirinha
Azala e Moare Danza são estruturas financiadas pelo Departamento de Cultura do Governo Basco

conteúdos relacionados