Modos de Ocupar

Dedos na ferida, mãos na cultura

Modos de Ocupar

© José Caldeira

TMP Online

2319.00hQuacom live streaming

RIVOLIPequeno Auditório

Pensamento
Curadoria e moderação de Pedro Santos Guerreiro
Com Marta Martins, Paulo Brandão, Pedro Quintela, Rui Moreira, Teresa Coutinho, Zia Soares
Preço Entrada gratuita mediante levantamento de bilhete (máx. 2 por pessoa)
Duração 1.30h
Classificação etária >12
Informação adicional Com interpretação em Língua Gestual Portuguesa
Live streaming www.teatromunicipaldoporto.pt e Facebook TMP
A pandemia pôs tudo a nu. O que já não havia e o que sempre teremos, o que podemos almejar e o que queremos alvejar. A crise desmultiplicou as perguntas mas não multiplicou as respostas. O que se segue na Cultura e nas Artes, nas condições dos seus profissionais, no espaço para os criadores e para o pensamento divergente, na articulação do poder central, local e com os privados, nas instituições e companhias independentes, no acesso à cultura pelos espectadores? Venha pôr o dedo na ferida. 


O jornalista PEDRO SANTOS GUERREIRO, respondendo ao desafio colocado pelo Teatro Municipal do Porto, imaginou um ciclo de 9 conferências em ressonância com 9 espetáculos da temporada 2019/2020. Estas conferências não incidiram somente sobre os espetáculos que foram apresentados, mas sim a partir de questões que dos mesmos emanem e que nos ajudem a refletir sobre diferentes “Modos de Ocupar”. Com um convidado exterior das mais diversas áreas disciplinares e outro conectado com os espetáculos da programação, mergulha- -se em águas profundas e abordam-se diferentes temas, em cada uma das sessões.

PARTICIPANTES

MARTA MARTINS
Diretora executiva da Artemrede

Diretora Executiva da Artemrede, uma rede cultural com 15 anos de atividade e 17 municípios associados, no âmbito da qual tem sido coordenadora de vários projetos intermunicipais e intersectoriais, de âmbito europeu e nacional, focados nos territórios e nas comunidades locais. Entre 2005 e 2010 desempenhou funções de Responsável de Produção na Artemrede. Antes disso trabalhou no Departamento de Juventude do Município de Lisboa e colaborou com diferentes associações culturais. Como oradora tem participado em diversas conferências e seminários na área da política e da gestão culturais. Licenciada em Direito, Pós-graduada em Gestão Cultural nas Cidades e Mestre em Estudos de Cultura.

PAULO BRANDÃO
Director artístico do Theatro Circo

Assumiu a direção artística do Theatro Circo de Braga em maio de 2006 até fevereiro de 2010. Foi diretor/programador da Casa das Artes de Famalicão entre 2001 e 2006, após oito anos como produtor e diretor de cena no Teatro Nacional de São João (Porto). Frequentou a licenciatura em Estudos Portugueses da Universidade do Porto e o curso de Interpretação na Academia Contemporânea do Espetáculo na ACE – Academia Contemporânea do Espectáculo (Porto), tendo estagiado em Teatro Naturalista na The Arden School of Theatre (Manchester). Foi docente convidado na pós-graduação em Comunicação e Gestão Cultural na Universidade Lusófona do Porto (2009-2011). Enquanto criador, levou a palco Red Shoes (2004), com texto de Paulo Castro, e Cigarras – Um Musical Pop Sobre Quem Canta e Seus Males Encanta (2010), com texto de Valter Hugo Mãe. Em julho de 2010 foi-lhe atribuída a Medalha de Mérito Cultural Municipal pela Câmara de Vila Nova de Famalicão. Pertenceu à Comissão de Apreciação dos Apoios Anuais 2011 Bienais 2011-2012 da área de Teatro da DGArtes. Desde dezembro de 2013 é, pela segunda vez, diretor artístico do Theatro Circo de Braga e consultor da Câmara Municipal de Braga para a área da Cultura.

PEDRO QUINTELA
Sociólogo, consultor e investigador

Licenciado em Sociologia pelo ISCTE-IUL, mestre em Cidades e Culturas Urbanas pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, instituição onde atualmente realiza o seu doutoramento em Sociologia, em fase de conclusão. Enquanto investigador, já integrou alguns projetos de pesquisa científica, especialmente no domínio da sociologia das artes e da cultura. Os seus interesses de investigação relacionam-se com projetos e políticas culturais, culturas urbanas e economia cultural e criativa (focando, em especial, as questões relacionadas com o trabalho neste setor). Participa com regularidade em encontros científicos relacionados com estas temáticas, sobre as quais também tem publicado.  Paralelamente, desenvolve trabalho de consultoria técnica, enquanto quadro permanente da Quaternaire Portugal, SA com um enfoque nas áreas dos projetos e políticas culturais, planeamento estratégico, turismo, e dos projetos e políticas urbanas.

RUI MOREIRA
Presidente da Câmara Municipal do Porto

Rui Moreira é Presidente da Câmara Municipal do Porto desde 2013. Foi o primeiro independente eleito numa grande cidade europeia, apoiado por um movimento de cidadãos de todo o espetro político, tendo sido reeleito em 2017 para um novo mandato de quatro anos. Até à sua eleição foi empresário e investidor com atividade em diferentes sectores como transportes, agroindústria e finanças. É considerado um líder de opinião e uma voz influente nas mais diversas áreas, tendo sido comentador e colunista em canais televisivos e na imprensa escrita. Entre 2001 e 2013 foi Presidente da Associação Comercial do Porto. Foi membro de distintos órgãos de governo e aconselhamento em empresas, universidades e organizações culturais, sociais e não-governamentais. É regularmente convidado como orador em conferências e eventos internacionais. Viveu e trabalhou na Dinamarca, Noruega, Alemanha e Reino Unido (onde se graduou em Business Administration, com distinção, pela Universidade de Greenwich).

TERESA COUTINHO
Criadora e atriz, membro da Ação Cooperativista

Teresa Coutinho (1988) é atriz, criadora e dramaturga. Licenciada em Interpretação pela ESMAE - Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo, completou o último ano da sua formação na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa. Foi uma das participantes da École des Maitres 2016, na edição orientada por Christiane Jatahy. Trabalhou com Christiane Jatahy, Faustin Linyekula, Tiago Rodrigues, Rogério de Carvalho, Ricardo Neves-Neves, Raquel Castro, Maria João Luís, Beatriz Batarda, Maria Duarte, Companhia Os Possessos, Nuno M. Cardoso, Carla Maciel, Daniel Gorjão, entre outros. Criou e escreveu O Eterno Debate (2020), E Comparar-te a Um Dia de Verão (2019), para os Dias da Música no CCB, em colaboração com Joana Bagulho e Maria Bayley, O Eterno Debate (2018) para a RTP2, Ways of Looking (2017) com Guilherme Gomes, a partir da obra de John Berger, Agora eu era – espetáculo para a infância (2017) com Catarina Santiago Costa e Pedro Moura, Indicação Para Se Perder (2014) a partir da obra de Marguerite Duras, com Constança Carvalho-Homem e o micro-espetáculo Amanhã à Mesma Hora (2012) para o festival Criativa-MENTE. É, desde 2016, coordenadora do ciclo de poesia ‘Clube dos Poetas Vivos’ no TNDM II. Foi formadora nas áreas da interpretação e dramaturgia em diversos contextos. Integrou a Comissão Informal de Artistas em 2018 e é membro fundador da Ação Cooperativista.

ZIA SOARES
Encenadora e atriz, diretora artística do Teatro Griot

Zia Soares nasceu no Bié, Angola, em 1972. É encenadora, atriz e diretora artística do Teatro GRIOT. Frequentou o curso de Filosofia na FLUL e o mestrado de Artes Cénicas na FCSH. No início do seu percurso artístico passou pelo ballet e percussão com a Companhia de Ballet da Guiné-Bissau, pelas artes circenses com a Amsterdam Balloon Company e pelo teatro com a Companhia de Teatro Os Sátyros (São Paulo/Brasil) e pelo Teatro Praga (1994-2000) como encenadora e atriz.

TMP Online

2319.00hQuacom live streaming

RIVOLIPequeno Auditório

Pensamento
Curadoria e moderação de Pedro Santos Guerreiro
Com Marta Martins, Paulo Brandão, Pedro Quintela, Rui Moreira, Teresa Coutinho, Zia Soares
Preço Entrada gratuita mediante levantamento de bilhete (máx. 2 por pessoa)
Duração 1.30h
Classificação etária >12
Informação adicional Com interpretação em Língua Gestual Portuguesa
Live streaming www.teatromunicipaldoporto.pt e Facebook TMP
A pandemia pôs tudo a nu. O que já não havia e o que sempre teremos, o que podemos almejar e o que queremos alvejar. A crise desmultiplicou as perguntas mas não multiplicou as respostas. O que se segue na Cultura e nas Artes, nas condições dos seus profissionais, no espaço para os criadores e para o pensamento divergente, na articulação do poder central, local e com os privados, nas instituições e companhias independentes, no acesso à cultura pelos espectadores? Venha pôr o dedo na ferida. 


O jornalista PEDRO SANTOS GUERREIRO, respondendo ao desafio colocado pelo Teatro Municipal do Porto, imaginou um ciclo de 9 conferências em ressonância com 9 espetáculos da temporada 2019/2020. Estas conferências não incidiram somente sobre os espetáculos que foram apresentados, mas sim a partir de questões que dos mesmos emanem e que nos ajudem a refletir sobre diferentes “Modos de Ocupar”. Com um convidado exterior das mais diversas áreas disciplinares e outro conectado com os espetáculos da programação, mergulha- -se em águas profundas e abordam-se diferentes temas, em cada uma das sessões.

PARTICIPANTES

MARTA MARTINS
Diretora executiva da Artemrede

Diretora Executiva da Artemrede, uma rede cultural com 15 anos de atividade e 17 municípios associados, no âmbito da qual tem sido coordenadora de vários projetos intermunicipais e intersectoriais, de âmbito europeu e nacional, focados nos territórios e nas comunidades locais. Entre 2005 e 2010 desempenhou funções de Responsável de Produção na Artemrede. Antes disso trabalhou no Departamento de Juventude do Município de Lisboa e colaborou com diferentes associações culturais. Como oradora tem participado em diversas conferências e seminários na área da política e da gestão culturais. Licenciada em Direito, Pós-graduada em Gestão Cultural nas Cidades e Mestre em Estudos de Cultura.

PAULO BRANDÃO
Director artístico do Theatro Circo

Assumiu a direção artística do Theatro Circo de Braga em maio de 2006 até fevereiro de 2010. Foi diretor/programador da Casa das Artes de Famalicão entre 2001 e 2006, após oito anos como produtor e diretor de cena no Teatro Nacional de São João (Porto). Frequentou a licenciatura em Estudos Portugueses da Universidade do Porto e o curso de Interpretação na Academia Contemporânea do Espetáculo na ACE – Academia Contemporânea do Espectáculo (Porto), tendo estagiado em Teatro Naturalista na The Arden School of Theatre (Manchester). Foi docente convidado na pós-graduação em Comunicação e Gestão Cultural na Universidade Lusófona do Porto (2009-2011). Enquanto criador, levou a palco Red Shoes (2004), com texto de Paulo Castro, e Cigarras – Um Musical Pop Sobre Quem Canta e Seus Males Encanta (2010), com texto de Valter Hugo Mãe. Em julho de 2010 foi-lhe atribuída a Medalha de Mérito Cultural Municipal pela Câmara de Vila Nova de Famalicão. Pertenceu à Comissão de Apreciação dos Apoios Anuais 2011 Bienais 2011-2012 da área de Teatro da DGArtes. Desde dezembro de 2013 é, pela segunda vez, diretor artístico do Theatro Circo de Braga e consultor da Câmara Municipal de Braga para a área da Cultura.

PEDRO QUINTELA
Sociólogo, consultor e investigador

Licenciado em Sociologia pelo ISCTE-IUL, mestre em Cidades e Culturas Urbanas pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, instituição onde atualmente realiza o seu doutoramento em Sociologia, em fase de conclusão. Enquanto investigador, já integrou alguns projetos de pesquisa científica, especialmente no domínio da sociologia das artes e da cultura. Os seus interesses de investigação relacionam-se com projetos e políticas culturais, culturas urbanas e economia cultural e criativa (focando, em especial, as questões relacionadas com o trabalho neste setor). Participa com regularidade em encontros científicos relacionados com estas temáticas, sobre as quais também tem publicado.  Paralelamente, desenvolve trabalho de consultoria técnica, enquanto quadro permanente da Quaternaire Portugal, SA com um enfoque nas áreas dos projetos e políticas culturais, planeamento estratégico, turismo, e dos projetos e políticas urbanas.

RUI MOREIRA
Presidente da Câmara Municipal do Porto

Rui Moreira é Presidente da Câmara Municipal do Porto desde 2013. Foi o primeiro independente eleito numa grande cidade europeia, apoiado por um movimento de cidadãos de todo o espetro político, tendo sido reeleito em 2017 para um novo mandato de quatro anos. Até à sua eleição foi empresário e investidor com atividade em diferentes sectores como transportes, agroindústria e finanças. É considerado um líder de opinião e uma voz influente nas mais diversas áreas, tendo sido comentador e colunista em canais televisivos e na imprensa escrita. Entre 2001 e 2013 foi Presidente da Associação Comercial do Porto. Foi membro de distintos órgãos de governo e aconselhamento em empresas, universidades e organizações culturais, sociais e não-governamentais. É regularmente convidado como orador em conferências e eventos internacionais. Viveu e trabalhou na Dinamarca, Noruega, Alemanha e Reino Unido (onde se graduou em Business Administration, com distinção, pela Universidade de Greenwich).

TERESA COUTINHO
Criadora e atriz, membro da Ação Cooperativista

Teresa Coutinho (1988) é atriz, criadora e dramaturga. Licenciada em Interpretação pela ESMAE - Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo, completou o último ano da sua formação na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa. Foi uma das participantes da École des Maitres 2016, na edição orientada por Christiane Jatahy. Trabalhou com Christiane Jatahy, Faustin Linyekula, Tiago Rodrigues, Rogério de Carvalho, Ricardo Neves-Neves, Raquel Castro, Maria João Luís, Beatriz Batarda, Maria Duarte, Companhia Os Possessos, Nuno M. Cardoso, Carla Maciel, Daniel Gorjão, entre outros. Criou e escreveu O Eterno Debate (2020), E Comparar-te a Um Dia de Verão (2019), para os Dias da Música no CCB, em colaboração com Joana Bagulho e Maria Bayley, O Eterno Debate (2018) para a RTP2, Ways of Looking (2017) com Guilherme Gomes, a partir da obra de John Berger, Agora eu era – espetáculo para a infância (2017) com Catarina Santiago Costa e Pedro Moura, Indicação Para Se Perder (2014) a partir da obra de Marguerite Duras, com Constança Carvalho-Homem e o micro-espetáculo Amanhã à Mesma Hora (2012) para o festival Criativa-MENTE. É, desde 2016, coordenadora do ciclo de poesia ‘Clube dos Poetas Vivos’ no TNDM II. Foi formadora nas áreas da interpretação e dramaturgia em diversos contextos. Integrou a Comissão Informal de Artistas em 2018 e é membro fundador da Ação Cooperativista.

ZIA SOARES
Encenadora e atriz, diretora artística do Teatro Griot

Zia Soares nasceu no Bié, Angola, em 1972. É encenadora, atriz e diretora artística do Teatro GRIOT. Frequentou o curso de Filosofia na FLUL e o mestrado de Artes Cénicas na FCSH. No início do seu percurso artístico passou pelo ballet e percussão com a Companhia de Ballet da Guiné-Bissau, pelas artes circenses com a Amsterdam Balloon Company e pelo teatro com a Companhia de Teatro Os Sátyros (São Paulo/Brasil) e pelo Teatro Praga (1994-2000) como encenadora e atriz.