Tânia Carvalho - © Rui Palma

© Rui Palma

Março

6 Sex 21.00h 7 Sáb 19.00h

CAMPO ALEGRE Auditório

9.00€ • 1.00h • > 6  

Tânia Carvalho

Onironauta

Dança
Tânia Carvalho - © Rui Palma

© Rui Palma

 
Eles são sete, como os dias da criação. Sete bailarinos ou encarnações físicas de um onirismo sob controlo. Sete corpos saídos dos limbos amargos de um sono desperto, dirigido e condicionado. O de seu demiurgo, igualmente em cena, Tânia Carvalho, ao piano. A luz é chamada "dia" e as trevas "noite". "Onironauta" é o nome desta peça. Um nome emprestado a esses viajantes capazes de controlar os seus sonhos, de moldar, para eles sozinhos, um mundo de imagens e de sentidos. Tânia Carvalho é uma de entre eles. Criadora que nos convida, espectadores da sua viagem lúcida. Clarividente. Espectadores desses pedaços de sonho por vezes sombrios como o são os de uma coreógrafa que procura há muito forçar a saída dos seus pesadelos. Para torcer o pescoço às trevas. Para estrangular o real e as partidas que o seu espírito lhe prega. Tânia Carvalho cria pinturas comoventes, arrepiantes, que batem como alguns sonhos perturbadores dos quais se sai confuso e a tremer. Sempre inspirada. Acordada. — Quentin Dusser, traduzido por Maria de Lurdes Guerra


TÂNIA CARVALHO passa frequentemente do domínio da coreografia para o da composição musical, apresentando-se como uma artista cuja vontade de expressão não se esgota numa só linguagem. As suas criações vagueiam pelas sombras, pela vivificação da pintura, pelo expressionismo e pela memória do cinema. Assim a artista constrói a sua cosmogonia misteriosa, um conjunto de códigos que transcendem a própria arte movente - seja no cuidado linguístico e semântico que inscreve na titulação dos seus trabalhos, seja na passagem frequente por territórios mais distantes da coreografia, como o desenho. Ao longo de quase duas décadas, Tânia Carvalho vai fazendo o seu caminho: criterioso e cada vez mais multidisciplinar.
  • Coreografia e direção
    Tânia Carvalho
    Assistente de ensaios
    Luís Guerra
    Músicos
    André Santos
    Tânia Carvalho

    Bailarinos
    Bruno Senune
    Catarina Carvalho
    Cláudio Vieira
    Filipe Baracho
    Luís Guerra
    Marta Cerqueira
    Vânia Doutel Vaz
    Música
    Frédéric Chopin
    Tânia Carvalho

    Desenho de luz
    Anatol Waschke
    Figurino
    Cláudio Vieira
    Tânia Carvalho
    (maioritariamente artigos Só Dança)

    Sapatilhas
    Só Dança linha vegan
    Direção técnica
    Anatol Waschke
    Técnico de som
    Juan Mesquita
  • Produção
    Tânia Carvalho
    Produção executiva
    João Guimarães
    Difusão
    Pia Krämer
    Comunicação
    Sara Ramos
    Residências artísticas
    Centro Criação de Candoso – Centro Cultural Vila Flor
    CSC Garage Nardini – Bassano del Grappa
    KLAP Maison Pour la Danse
    O Espaço do Tempo

    Apoio financeiro
    Fundação Gulbenkian - Lisboa
    Apoio
    Com Calma – Espaço Cultural 
    Patrocínio
    Só Dança  
    Coprodução 
    Teatro Municipal do Porto
    Centro Cultural Vila Flor
    Culturgest
    KLAP Maison Pour la Danse

em paralelo

Encontro com Tânia Carvalho, Joana Manarte & Luís Fernandes

4 Qua 17.30h
Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto
Partindo do espetáculo Onironauta de Tânia Carvalho, propõe-se um encontro informal na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto com Joana Manarte e Luís Fernandes, ambos ligados às Ciências da Educação e à Psicologia. Uma conversa informal que seguramente não deixará de lado o tema que o espetáculo convoca o sonho consciente. 


JOANA MANARTE é investigadora no Centro de Investigação e Intervenção Educativas (CIIE), na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP). Desenvolveu o seu trabalho de doutoramento sobre a corporalidade na escola e a importância das relações humanas na educação, a partir de uma perspetiva multidimensional da corporalidade - corpo como lugar de encontro entre o social e o individual, o fisiológico e o simbólico, a cultura e a natureza; corpo-sujeito; corpo como criador e arquivo vivo de imagens mentais, sensoriais; unidade corpo/cognição/emoção. Tem vindo a trabalhar também noutros campos de interesse dentro da Educação, nomeadamente a cooperação para o desenvolvimento, a ação humanitária, a cidadania, a interculturalidade e os direitos humanos. Para além do ramo da investigação, é formadora de voz e técnica vocal, com uma abordagem baseada no trabalho da consciência corporal. Há cerca de 20 anos que mantém também ligação profissional à música como cantora, em diferentes projetos musicais. Atualmente, destaca-se o Disco Voador, um projeto de cariz ativista, que revisita canções cuja história é o ponto de partida para uma performance comentada em torno de questões relacionadas com direitos humanos.

LUÍS FERNANDES é professor associado da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto. Distinguido em 1998 com o prémio Fernand Boulan da Association Internationale de Criminologues de Langue Française e em 2014 com o Prémio de Excelência Pedagógica da Universidade do Porto. Membro da Comissão de Ética da Ordem dos Psicólogos Portugueses. O tema central dos seus trabalhos de investigação é a caracterização do fenómeno droga em contexto urbano – uma ecologia social dos atores e dos territórios psicotrópicos. A evolução conflitual deste fenómeno nos grandes espaços urbanos conduziu-o à pesquisa sobre o sentimento de insegurança, a marginalidade e a expressão socioterritorial dos processos de segregação e de produção de desigualdades. No campo interventivo, tem dado especial atenção às estratégias de controle social da desviância e às políticas de redução de riscos e minimização de danos. Nos últimos anos tem desenvolvido interesse no campo da corporalidade (imagem corporal; corpo vivido; embodyment; fenómenos corpomente). Mantém, sob pseudónimo, atividade literária na poesia e na ficção; passagens como cronista pela imprensa diária, com destaque para o O Público entre 2002 e 2006. Publicações: mais de 150 títulos, entre revistas científicas nacionais e internacionais, capítulos em obras coletivas e livros.

Aquecimento Paralelo com Inês Campos

7 Sáb 17.00h — 18.00h
CAMPO ALEGRE Sala de Ensaios
Inês Campos, trabalha como atriz, bailarina, música e artista visual. Dá a conhecer o seu trabalho através do universo partilhado com Tânia Carvalho, com quem já trabalhou como intérprete. A sua linguagem criativa é metafórica e utiliza tanto o corpo como a voz enquanto meios de expressão. Atualmente, circula o seu solo Coexistimos e é performer na tour internacional de Muyte maker de Flora Détraz. Cofundou o coletivo thistakestime, cocriou sublinhar com Marta Cerqueira e foi performer na digressão internacional de Cutting Edge (2016/18) de Kalle Nio e Icosahedron (2011/18) de Tânia Carvalho. É cofundadora da banda Sopa de Pedra na qual compõe, canta e é designer gráfica.